Um casal gay foi brutalmente atacado por uma gangue ao sair de um cassino, o que eles acreditam ser um crime de ódio. As informações são do Pink News, os homens afirmam que ambos ficaram com ferimentos graves após o ataque, que ocorreu quando eles deixaram o Ameristar Casino em St Charles, Missouri.

Um dos homens, que desejava manter o anonimato, disse à estação de notícias local KSDK que acreditava que eles foram vítimas de um crime de ódio, alegando que eles foram alvos de abuso verbal por causa de sua sexualidade.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Ele explicou que estava ajudando o namorado a entrar no carro depois de uma noite no cassino no sábado (27 de fevereiro). Enquanto o casal se aproximava da garagem, um grupo de quatro homens fez um gesto agressivo para eles. O casal gay chamou o grupo e ofensas foram trocadas até que começou um confronto físico.

VEJA TAMBÉM:  Fotógrafo registra imagens de sauna gay secreta no Irã, onde ser LGBT rende pena de morte

Os dois homens foram submetidos a um violento ataque, e um deles disse que tudo em que conseguia pensar era em tentar proteger o namorado. Ele disse: “Eu só conseguia pensar em chegar até ele, cobrindo-o enquanto ele era atingido por socos e chutes. Ele estava deitado inconsciente.”

A vítima disse que os homens eventualmente interromperam o ataque e deixaram o cassino. O casal gay hospitalizado com ferimentos no nariz, olhos e boca. Mas as vítimas disseram que os ferimentos são mais do que físicos: “Apenas saiba que eu e ele temos medo de ir a qualquer lugar em público”.

Polícia acredita que casal gay não sofreu crime de ódio

A Polícia do Condado de St Charles informou que não havia evidências de que o casal gay foi vítima de um crime de ódio homofóbico. A polícia disse que conversou com dois homens do grupo de supostos agressores e que ambos estão cooperando com a investigação.

VEJA TAMBÉM:  Após transfobia, dupla lança clipe de Lili com atriz trans protagonista; assista

A casa onde tudo ocorreu divulgou um comunicado após o incidente dizendo que não pode fornecer detalhes adicionais sobre o assunto por causa da investigação em andamento. Mas a organização disse que tem “tolerância zero para aqueles que cometem atos de violência ou intolerância” e está trabalhando em estreita colaboração com as autoridades policiais em sua investigação.