O casal formado por Asha Thakor e Bhavna Thaor, que vivia na Índia, na região de Ahmedabad, cometeu suicídio junto da filha de uma delas.

Em uma nota de despedida que deixaram antes da atitude trágica, elas escreveram que “se distanciaram do mundo para se unirem, mas o mundo não as deixava viver”.

Segundo informou o jornal Deccan Herald, em uma tentativa desesperada de “fugirem”e permanecerem juntas (provavelmente através da crença forte em reencarnação que rola na Índia?), as duas tiraram suas vidas por afogamento. Uma das filhas, de apenas três anos, também teve a vida tirada junto.

O casal se conheceu, se apaixonou e teve um relacionamento enquanto uma delas ainda era casada com um homem, com quem tinha a filha Megha de apenas 3 anos de idade.

A tragédia foi noticiada amplamente na mídia da Índia e já é mais um fator exercendo pressão sobre o governo do país para mexer enfim na lei anti-gay que ainda existe por lá.

(continua abaixo)


Veja também:


Na seção 377 do código penal indiano, o sexo “contra a ordem da natureza” (como é chamado o sexo homossexual) é expressamente proibido. Se trata de uma lei muito antiga e nem sempre aplicada na prática hoje em dia, mas ainda é algo amplamente usado como argumento para fundamentalistas reprimirem a comunidade LGBT indiana.

Após a recente retirada da homossexualidade da lista de doenças pela comunidade psiquiatrica indiana, há expectativa e maior chance de que a descriminalização da sexualidade finalmente avance.

Mukul Rohatgi, um ativista LGBT local, afirmou à imprensa sobre o ocorrido alertando sobre a discriminação de LGBTs na Índia: “Pessoas da comunidade LGBTQ são ridicularizadas em várias esferas da vida por aqui. Igualdade de oportunidades de trabalho e remuneração não são dadas aos indivíduos que tem uma orientação sexual que é chamada de “diferente”.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).