Crianças criadas por casais homoafetivos se saem melhor na escola do que aquelas com pais heterossexuais. Ao menos é o que diz um novo estudo que comparou o desempenho escolar das crianças em ambos os tipos de família.

A pesquisa da Universidade de Oxford e da Universidade de Maastricht, na Holanda, vai contra o argumento homofóbico comum de que a paternidade homoafetiva seria prejudicial para crianças.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Foram analisados dados de quase 3.000 crianças de casais homoafetivos (com dois pais gays ou duas mãe lésbicas, sendo 2.786 casais de lésbicas e 185 casais gays), em comparação com mais de um milhão de crianças com pai e mãe heterossexuais. Todas as crianças foram acompanhadas nas análises desde o nascimento até o final do ensino fundamental. Um terço delas foi acompanhado até o final do ensino médio.

E aí concluiu-se que as crianças que são filhas de casais homoafetivos tem melhor desempenho geral tanto na escola primária quanto secundária. Mas será que existem razões pra isso? A resposta é sim!

VEJA TAMBÉM:  “Importante é caráter e humildade! Homossexual é como qualquer pessoa!", diz Solimões sobre o filho
Filhos de casais homoafetivos tem filhos com melhor desempenho escolar? Estudo diz que sim.
Filhos de casais homoafetivos tem filhos com melhor desempenho escolar? Estudo diz que sim.

“Descobrimos que pais homoafetivos costumam ter a família mais planejada e terem poder aquisitivo maior, além de serem mais velhos e mais educados do que a maior parte das famílias héteros”, disse à Unilad o autor principal do estudo, Deni Mazrekaj.

“Provavelmente por muitos terem que apelar a programas de fertilidade ou procedimentos de adoção, muitos tendem a ter maior nível de riqueza”, sugeriu.

Na Europa, os custos de adoção variam normalmente entre € 15.000 e € 40.000, enquanto a inseminação artificial pode chegar a € 1.500 por tratamento, com uma taxa de sucesso de cerca de 15 por cento. Os custos são semelhantes ou até maiores em outros países.

O estudo também fez um recorte considerando apenas casais heteros e homoafetivos no mesmo recorte socioeconômico. Neste caso, o bom desempenho na escola foi mais próximo, ainda que mesmo assim tenha mostrado vantagem aos filhos de casais homoafetivos.

VEJA TAMBÉM:  Gêmeos e trans: irmãos contam como foi descoberta e processo de transição de juntos

Outra razão, além da socioeconômica, apontada neste caso seria o fato de famílias homoafetivas que tem filhos, realmente desejarem muito ter filhos e se planejarem pra isso. Entre heterossexuais, há muitos casos de casamentos que acontecem mais por força da cultura e/ou da família, do que desejo real das pessoas envolvidas, que muitas vezes não questionam ou agem por pressão da sociedade ao redor, consequentemente, sendo pais menos dedicados e/ou mais insatisfeitos como reflexo disso.

“Portanto, é provável que outros fatores também desempenhem um papel, por exemplo, são gestações desejadas e pais do mesmo sexo também são muito propensos a se tornarem pais, devido aos procedimentos que devem ser submetidos para ter filhos”, concluiu Mazrekaj sobre o estudo.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).