Uma bombeira lésbica alegou que foi demitida de sua corporação depois de denunciar um colega do sexo masculino que a teria assediado por anos.

Em uma ação movida no Tribunal Superior do Condado de Middlesex, Kira Castellon disse que foi demitida de seu papel como inspetora de incêndio em Piscataway, New Jersey, por ter feito uma alegação de assédio sexual, de acordo com o My Central Jersey.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Segundo o Pink News, na ação movida contra o município, Arbor Hose Company 1 e Fire District 3, Castellon disse que ingressou no serviço de bombeiros em 2015, onde era a única bombeira do sexo feminino na equipe.

Sua sexualidade era “conhecida” por seus colegas de trabalho e não representou problema até que ela foi promovida em setembro de 2016. Após sua promoção, um colega supostamente iniciou uma campanha “quase diária” de assédio sexual contra ela, começando no final de 2016 e continuando até janeiro de 2019.

VEJA TAMBÉM:  É sobre se enxergar: atriz global saí do armário em vídeo emocionante no instagram

A bombeira lésbica disse que lhe disseram: ‘Vou deixar você hetero de novo”. Durante esse tempo, o colega supostamente a beijou e apalpou várias vezes. De acordo com a ação, ele “empurrava sua pélvis para dentro (dela) sempre que dizia olá e adeus”.

“O assédio sexual foi aberto e notório, o que se tornou amplamente conhecido em todo o corpo de bombeiros”, disse o processo.

O assédio sexual continuou depois que Castellon voltou ao trabalho após a cirurgia. Em um ponto, enquanto usava muletas, ela lutou “para ficar de pé enquanto ele a apalpava e enfiava a pélvis em seu traseiro”.

Bombeira lésbica alega descaso

Seu emprego acabou sendo encerrado em 30 de outubro de 2019, depois que a empresa a acusou de usar seu status de isenção de impostos para comprar bens pessoais em uma loja local, ela nega que isso seja verdade.

VEJA TAMBÉM:  Casal é suspeito de matar a família pra ficar com herança

“É claro que os relatórios anteriores de assédio sexual e seus esforços contínuos para combater o assédio no local de trabalho que torturou sua experiência no corpo de bombeiros desde que ela chegou, foram um fator motivador, se não o único fator na decisão de rescindir seu contrato de trabalho”, Disse o processo.