Bolsonaro diz numa entrevista que família é homem e mulher (de acordo com seu tosco entendimento sobre a Constituição Federal); Marcelo Crivella manda fiscais na Bienal do Livro no Rio de Janeiro para censurar um livro de HQ da Marvel onde havia um desenho de dois personagens masculinos se beijando e, em São Paulo, Doria manda recolher apostila sobre educação de gênero, impropriamente chamada por ele por ideologia de gênero.

Os novos tempos são sombrios sob o ponto de vista da comunidade gay. Na verdade, de todas as minorias pois, em pleno século XXI, outro dia em São Paulo um menino negro foi açoitado, como nos tempos da escravidão, por conta de um furto famélico (esse é o nome de uma coisa furtada por motivo de fome). Ele havia furtado umas barras de chocolate num supermercado.

Em Brasilia com o presidente, no Rio o prefeito e em São Paulo o Governador, todos – absolutamente todos – “agindo em nome da família e dos bons costumes” estão praticando censura.

O presidente não sabe o que diz porque a Constituição foi sim mudada em relação à família ser só composta por homem e mulher. O Conselho Nacional de Justiça, desde 2013 permite o registro de casamento entre pessoas do mesmo sexo. Foi o Supremo Tribunal Federal que em 2011 havia mudado o preceito constitucional que ele agora invoca juntamente com a Bíblia.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O prefeito do Rio, sabe menos ainda de direito constitucional porque não é atribuição ou, competência da Prefeitura mas sim, do Poder Judiciário, apreender ou impedir a venda de qualquer tipo de produto, ainda mais, livros.

E, em São Paulo, o Governador que é invertebrado pois, ontem era amigo íntimo do presidente e agora são adversários porque ambos querem ser presidente na próxima eleição, e se apega a essa censura para, em nome da moral e dos bons costumes, tirar uma apostila sobre educação sobre diversidade das escolas do Estado de São Paulo.

Ainda que tenham trocado farpas durante essa semana, Dória e Bolsonaro se pegam nesta faixa da população que entende sermos um mal a ser combatido. Somos, gays, negros e outras minorias, um problema para eles.

Não consigo entender no quê causamos a eles problemas já que pagamos impostos como todos, cumprimos a lei como todos e, não fazemos nada além de brigarmos por nossos direitos. Essa luta, inclusive, está ameaçada pelos últimos acontecimentos.

Os três representantes – mandatários do povo – estão descumprindo a Constituição Federal quando miram em nós suas baterias eleitoreiras. Todo cuidado é pouco na próxima eleição. Não se fie em candidatos que prometem a defesa da família e dos bons costumes.

Hoje em dia, família é qualquer ajuntamento de pessoas para se cuidarem e, bom costume é respeitar as minorias e suas vidas privadas.