O corpo do ativista LGBT Marcos Cruz Santana, de 40 anos, foi localizado pela polícia na madrugada do último sábado (18). Ele teve sua genitália cortada em pedaços na execução do crime.

Ele era conhecido por divulgar e promover eventos LGBT em todo Estado da Bahia, principalmente a região sudoeste. Querido em toda região, a população local está chocada com o crime.

O presidente do Grupo Gay da Bahia, Marcelo Cerqueira, afirmou que a morte do ativista é a mais concreta expressão da homofobia principalmente pela crueldade do ato.

Amigo pessoal da vítima, Marcos pediu apoio da Secretaria de Segurança Pública da Bahia para que a investigação ande e identifique os criminosos.

A investigação acredita que três homens teriam encontrado a vítima tentando seduzí-la. Ela caiu na armadilha e acabou sendo torturada e morta.

À imprensa, Marcelo ainda lembrou que o rapaz era uma pessoa boa e que ajudava a população em geral, não somente os LGBTs da região.

Marcos em diversos momentos atuando como ativista LGBT.

Ainda segundo o GGB, até 15 de maio deste ano já foram assassinadas 153 pessoas LGBTs em crimes de ódio por orientação sexual e/ou identidade de gênero no Brasil somente em 2018. Destes, 62 eram gays, 58 transgêneros, 27 lésbicas e 6 bissexuais.

No ano passado, no total foram 445 LGBTs mortos neste tipo de crime, representando uma vítima a cada 19 horas no país.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).