Brian Healless, um assassino de apenas 18 anos de idade, conheceu no Grindr o jovem Alex Davies, também de 18 anos. Ele o matou em um crime homofóbico e hediondo noticiado pelo jornal inglês The Guardian.

O Tribunal de Preston Crown Court, no norte da Inglaterra, julgou e condenou Brian a 24 anos de prisão em regime fechado.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Brian Healless
Brian Healless, condenado a 24 anos de prisão.

Os dois se conheceram no Grindr, aplicativo de encontros gay. Davies era abertamente gay, mas Healless disse a ele que ainda não havia saído do armário e portanto preferia encontrá-lo em segredo.

Sendo assim, Healless sugeriu um local discreto e escondido entre duas casas para o primeiro encontro dos dois em Parbold Hill, uma área remota da floresta em Lancashire.

Assim que Davies chegou ao local, Healless simplesmente o atacou e esfaqueou 128 vezes a sangue frio. Ele ainda  arrastou a vítima pela lama, ainda com vida enquanto agonizava, e cobriu seu corpo com galhos e folhas para escondê-lo.

VEJA TAMBÉM:  Ação quer impedir governo Trump de tirar proteções aos direitos LGBT+

A CCTV conseguiu imagens de câmeras de segurança que mostram Healless saindo do local do crime em sua bicicleta. Ele ainda roubou a mochila de Davies.

Murderer Brian Healless riding away from the crime on his bike.
O autor do crime fugindo do local de bicicleta com a mochila de Davies.

A investigação ainda descobriu que depois do assassinato, Healless pretendia se encontrar com quatro outros garotos com quem já conversava pelo aplicativo. Felizmente ele foi capturado e preso antes.

Na sentença, o juiz afirmou ao autor do crime: “Alex era um jovem de bom coração, gentil e trabalhador que nunca faria mal a ninguém. Sem dúvida, você premeditou matá-lo. Você é uma pessoa manipuladora, calculista e desonesta.”

Alex Davies
Alex Davies, vítima de assassinato após a tentativa de encontro.

Os psiquiatras examinaram Healless e concluíram também que ele teve um surto de esquizofrenia paranóica no momento do assassinato. No entanto, o júri rejeitou a tese da defesa de que seu estado mental deveria reduzir sua responsabilidade pelo assassinato: “Foi um assassinato planejado e premeditado”, concluiu o júri.

VEJA TAMBÉM:  Travestis são atacadas com facadas em Brasília; uma morreu
Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).