O registro feito por alguém que estava no mesmo vagão de metrô, de um simples beijo do PM Leandro Prior em um boy não identificado (não sabemos se era namorado ou só peguete), acabou rendendo muito mais do que uma dor de cabeça ao policial.

O momento foi gravado em vídeo e compartilhado exaustivamente em grupos de Whatsapp e na Internet.

O número de reações preconceituosas e até criminosas como ameaça de morte foram tantos, que Leandro pediu afastamento médico da polícia para se internar em uma clínica de repouso.


Assista também:


“Acabaram com a minha vida. Hoje estou afastado do trabalho. Não é só a homofobia, estou sofrendo ameaças de morte.”, disse o PM que agora teme que a situação prejudique sua carreira na Polícia Militar.

Ele está na corporação há quatro anos e diz ser o trabalho que ama fazer: “Quero continuar!”

Seu advogado, José Beraldo, afirmou que um boletim de ocorrência sobre as ameaças será registrado: “É um crime cibernético, mas é um crime. Vamos estudar as medidas cabíveis para que o Google Facebook ajudem a identificar os autores das postagens o ameaçando de morte.”

Ainda segundo o advogado, o beijo não teve nada de mais, foi apenas um selinho entre amigos. Ele também afirmou que fará de tudo para que seu cliente se mantenha trabalhando normalmente: “Ele está sendo perseguido, ele é vítima de crime de ódio. É um policial do bem, uma pessoa do bem. Vamos fazer de tudo para que ele permaneça na polícia”.

A Polícia Militar, por meio de nota, confirmou o acontecido e afastamento do membro da corporação por motivo de saúde. Além disso, “a instituição colocou à disposição do policial militar medidas protetivas, por meio do Programa PM Vítima, da Corregedoria”, conforme informou o comunicado.

De qualquer forma, a postura do policial deverá ser apurada pela corporação, ainda que a Polícia tenha dito se tratar apenas de um olhar administrativo. Nas palavras da mesma, “O comportamento adotado enquanto usava farda e carregava uma arma, não é compatível com os procedimentos de segurança. Ele deveria estar alerta, e não relaxando em um momento privado naquele momento”.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).