Marcelo Macedo, de 33 anos, foi baleado quatro vezes após beijar o seu ficante em um bar em Camaçari, na região metropolitana de Salvador.

Segundo testemunhas, três homens que estavam no mesmo local ficaram enfurecidos com o gesto de carinho do casal. O rapaz foi levado às pressas para o Hospital Geral de Camaçari (HGC).

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Eles estavam se conhecendo, ainda não são namorados. Eles marcaram de se encontrar no bar e estavam trocando carícias quando os homens que estavam em outra mesa ficaram incomodados”, contou uma amiga da vítima ao Correio24horas.

Pessoa que estavam no bar contaram que os três homens foram até a mesa e começaram agredir os dois verbalmente. Em seguida, Marcelo argumentou que ele não estava fazendo nada de errado e tinha o direito de estar ali, já que ele era frequentador assíduo do bar.

VEJA TAMBÉM:  Ativista LGBT é assassinado e tem genital mutilado na Bahia

“Eles agrediram os dois com socos e chutes, até que um dos homens sacou uma arma e atirou em Marcelo. O outro rapaz que estava com ele conseguiu correr e recebeu ajuda. Uma pessoa deu abrigo para ele, mas meu amigo ficou caído no chão do bar. Ele foi baleado quatro vezes”, contou a amiga da vítima.

As balas acertaram o braço e o abdômen do rapaz, que precisou passar por uma cirurgia e segue internado em estado estável. Mesmo hospitalizado, Marcelo foi ouvido pela polícia local que investiga o caso. O local onde tudo aconteceu possui câmeras de segurança, o que facilitará nas buscas pelos criminosos. Os três agressores fugiram.

View this post on Instagram

HOMOFOBIA MATA!! 🆘 ME AJUDEM POR FAVOR, 🛑COMPARTILHEM ESSA PUBLICAÇÃO E  MARQUEM ESSES PERFIS 🛑 @ivetesangalo @pretagil @fatimabernardes @pabllovittar @anitta @hmcpedro @guigokieras @ruicostaoficial @maisa E USEM A RASHTAG #SOMOSTODOSTIELO.  Como alguns de vocês sabem ontem ocorreu uma coisa bem triste. Meu amigo Marcelo Macedo @tiellomacedo de 33 anos, morador de Camaçari BA, sofreu um crime de homofobia, praticado por 4 homens. Peço desculpa a vocês pq ontem eu informei que tinha sido 2 tiros, mas a menina que o socorreu, falou que só no braço tinha 3.  Ele saiu com o companheiro dele para um bar, no bairro de Inocop na cidade de Camaçari.  Chegando lá, avistou em outra mesa, uma amiga de infância que estudou com ele. Ela estava sentada na mesas de alguns agressores. Ele deu um "tchau" pra ela, e ela fez um coração pra ele. Nesse momento o rapaz que estava com ela não gostou, e pra jogar um gelo nessa situação ele acariciou o companheiro, e falou "Ele tá com ciúmes, tô te fazendo carinho pra ele ver que eu não gosto de mulher". Pessoal, nesse momento um homem  levantou e perguntou se ele não tinha "respeito às pessoas do bar". Como se ele fosse um animal, um extraterrestre, um lixo, menos uma pessoa. Marcelo se levantou, e o homem começou agredir Marcelo. Logo após mais 3 homens se levantaram, 3 partiram pra cima de Marcelo, o espancaram até cair, o outro agredindo o companheiro de Marcelo, agredindo e mandando ele fugir do local. Quando o rapaz correu ele viu um dos homens sacar a arma, e efetuar os disparos em Marcelo. Mesmo  ele estando caido, com 2 disparos, quase desfalecido, eles vieram, continuaram a agressão e efetuaram mais 2 disparos. Típico de psicopatas, serial killer, de pessoas que não merece a liberdade.  Marcelo agora está internado, uma bala acabou perfurando o seu pulmão, destruindo o baço, parte da vesícula e do seu diafragma. Agora ele está na sala de risco, com perfuração que ainda não parou de sangrar, com 4 tiros em seu corpo pelo fato de ser gay. Quantos mais terão que morrer? Quantos mais precisarão sofrer? Brasil dos brasileiros, o lobo na pele do cordeiro, o assassino fantasiado de "cidadão  brasileiro". Ajude!! #criminalizastf

A post shared by Vitor Domingos🇧🇷 (@apenasviitor) on

A Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS) disse, também em nota, que condena o ataque sofrido por Marcelo e que acompanha o caso, por meio da Superintendência de Direitos Humanos e da coordenação LGBTQ+. A pasta afirmou também que está em contato com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP), para que o episódio seja esclarecido e os culpados respondam pelo crime.

VEJA TAMBÉM:  Cidade de Madre de Deus, na Bahia, inaugura “Pracinha dos Gays”

“A SJDHDS reafirma o compromisso do Governo do Estado com a promoção da igualdade, do respeito e da cultura de tolerância. Fatos como este devem ser investigados e punidos exemplarmente”, diz a nota.

O governador da Bahia, Rui Costa, repudiou o ataque, disse que esse não é o Brasil que merecemos e garantiu que o caso será investigado com rigor.

“Esse episódio compõe esse tecido que se construiu no Brasil nos últimos anos, de pregar ódio e intolerância nas pessoas. E querer hegemonizar a sociedade na base da força, da violência, do medo e da truculência. Isso merece o nosso total repúdio, e todas as autoridades competentes, policiais, vão agir para entregar, com todos os detalhes, os responsáveis à Justiça. Da nossa parte, temos que continuar repudiando e dizendo que não aceitamos. Esse não é o Brasil que nós merecemos”, afirmou.