Uma travesti morreu na madrugada da última terça-feira (16) no Largo do Arouche, região central de São Paulo.

Segundo testemunhas ouvidas pelo portal G1, enquanto passava em frente a um bar, ela ouviu gritos de homens que estavam lá dentro a ameaçando e dizendo: “Bolsonaro!”, a agredindo logo depois.

A Polícia Militar informou que recebeu um chamado por volta das 4h50 da manhã e foi ao local prestar socorro. Quando chegou lá, encontrou o corpo já sem vida esfaqueado e sangrando. A identidade da travesti continua sem definição pela ausência de documentos.

Conforme divulgado pelo portal Hornet, a artista Priscilla Bertucci estava dormindo em seu apartamento na região e disse à reportagem que ouviu os gritos da discussão em que a travesti foi agredida.

“Ela estava com quatro ou cinco homens em frente a um bar. E daí eu comecei a ouvir gritos, uma discussão, uma briga e chamavam ela de vários nomes, agressões verbais, e gritavam ‘Bolsonaro’”, disse Priscilla. A testemunha contou que, em seguida, os homens fugiram e ela ouviu a vítima pedindo ajuda, dizendo que “ia morrer”.

A travesti chegou a conseguir caminhar meia quadra até um hotel no Largo do Arouche, onde seguranças acionaram a PM e o Corpo de Bombeiros para o resgate.

Segundo a PM, o caso foi registrado no 3º Distrito Policial (Campos Elíseos). O G1 questionou a Secretaria da Segurança Pública sobre a apuração do ocorrido, e aguarda retorno.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).