A participante do Canada’s Drag Race, Anastarzia Anaquway, publicou recentemente no Instagram uma foto de quando foi baleada em um atentado homofóbico nas Bahamas e recebeu uma nova ameaça de morte.

Anastarzia relembrou um pouco de seu passado nas Bahamas, seu país de origem, durante uma conversa no segundo episódio da temporada de estreia do reality. A queen explicou como o país ainda é muito intolerante com a população LGBT+, inclusive realizando ataques físicos contra a comunidade. A drag revelou que quando ainda morava no local sofreu um violento atentado homofóbico em que levou três tiros e teve de dirigir sozinha até o hospital.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Após ficar internada em coma por vários meses, a queen se recuperou e decidiu pedir asilo político ao Canadá, onde reside atualmente. Apesar disso, Anastarzia ainda demonstrou sofrer bastante com o episódio traumático.

Alguns dias após a exibição do episódio, a drag queen publicou nas redes sociais uma foto dos pontos e da cicatrização após o ataque.

VEJA TAMBÉM:  Hollywood, Queer Eye, RuPaul e mais... saiba quais produções LGBTs concorrem ao Emmy 2020!

“4 de julho julho de 2013, eu sobrevivi! Mas ao longo dos anos eles não: Thaddeus McDonald, Kevin Williams, Chad, Wellington Adderley, DaVince Smith, Indera, Marvin Wilson, Harl Taylor, Paul Whyly, Shavardo Simmons, LaTory Mackey, Elkin Moss, Jamal. Ainda assim, a população de Bahamas está dizendo que minha história é falsa”, publicou no post.

VEJA TAMBÉM:  Bob, The Drag Queen responde a críticas sobre sua participação no Celebrity Drag Race

Na legenda da publicação, Anastarzia desabafou: “Por favor, que isso seja o fim disso. Só porque você talvez não seja homofóbico, isso não significa que a homofobia não exista no país. Só porque você não apertou o gatilho, isso não significa que essas pessoas não foram assassinadas. Só porque você pode não estar ciente de uma situação, isso não significa que não aconteceu. Só porque você está com raiva, isso não torna minha narrativa menos verdadeira. Agir por ignorância não é mais uma desculpa para o comportamento apresentado.”

Após a publicação, Anastarzia compartilhou uma nova ameaça de morte que recebeu:

“O povo falou e as provas estão aí! Eu encerro meu caso e estou farto de tudo isso”, escreveu a queen.

VEJA TAMBÉM:  Primeiro “não-padrão” da Pit Crew de Drag Race, Mina Gerges, desabafa sobre bullying online

A mensagem ameaçadora dizia: “Se ele voltar para casa fazendo drag, ele será baleado de novo… a Bíblia diz para matá-los, não são minhas palavras”.

Infelizmente nem toda a população LGBT+ das Bahamas tem a mesma sorte de Anastarzia, que hoje vive em um país muito mais acolhedor a sua identidade, sexualidade e arte. No mesmo episódio do reality, as outras queens ainda comentaram o quanto devem ser gratas e felizes por viverem em um país que as aceita, e devem lutar para manterem esses direitos.