Recentemente, comentando sobre a posição do Papa Francisco sobre o casamento homofetivo, Ana Paula Padrão usou as redes sociais para explicar por que adotou o gênero neutro em algumas de suas falas, e recebeu críticas de seguidores.

Primeiro, a jornalista explicou por que o Papa Francisco é um progressista e como seu posicionamento pode ajudar a pessoas não LGBT a entenderem e acolherem a união estável entre LGBTs. Na sequência, ela explica que dizer “amigues” é um gesto de empatia com pessoas marginalizadas.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Ana Paula Padrão conta que foi questionada sobre usar a palavra e estar incentivando crianças a “errarem” a língua portuguesa, e prontamente respondeu que toda pessoa tem o direito de se apresentar como quiser e essa posição merece ser respeitada.

 

Ver essa foto no Instagram

 

e um pouco do que o nosso conservadorismo poderia aprender com ele. . . . . . . #linguagemnãobinária #linguagemneutra #empatiaporfavor #respeitoébomeeugosto

Uma publicação compartilhada por Ana Paula Padrão (@anapaulapadraooficial) em


A jornalista explicou ainda que nossos jovens não são influenciáveis a ponto de não entenderem a diversidade linguística em uma prova do ENEM, por exemplo e que esse é o melhor processo para se ter um mundo mais justo para pessoas não-binárias. Parabéns, Ana Paula Padrão (não vamos fazer trocadilho que “quebrando padrões”, ok?).

VEJA TAMBÉM:  “Casais gays não são família de verdade”, diz Papa Francisco