O Papa Francisco apoia as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo desde pelo menos 2008, antes de se tornar papa, de acordo com um amigo gay que afirma ter anos de amizade com o pontífice antes mesmo de sua nomeação.

Segundo o Pink News, um homem gay que alegou ser amigo do Papa Francisco disse que o compromisso do pontífice com as uniões civis do mesmo sexo não é novo. O ‘amigo gay’ do Papa Francisco falou com ele sobre casamento igualitário há uma década.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Yayo Grassi deu a declaração ao Washington Blade. Grassi, que mora em Washington DC, disse que foi ensinado pelo papa em uma escola católica romana na cidade argentina de Santa Fé em meados dos anos 1960.

Os dois permaneceram amigos desde então, disse ele, acrescentando que ele e sua parceira se encontraram com o líder da igreja em 2015. Grassi disse que também se encontrou com Francisco em Buenos Aires em 2008, apenas dois anos antes da Argentina encerrar o casamento do mesmo sexo.

VEJA TAMBÉM:  Judocas Rafela Silva e Eleudis Valentim se casam em cerimônia no Rio de Janeiro

A lei do casamento igualitário estava sendo debatida na época, e Grassi disse que perguntou ao Papa Francisco o que ele acha disso: “Ele disse que não é uma lei religiosa que está sendo debatida, é uma lei civil, portanto, a Igreja não tem nada a ver com isso”.

“Foi quando ele me disse: ‘Você está vindo aqui e eu te conheço. Somos amigos há muito tempo. Quem sou eu para te julgar? Por que eu iria julgar você?'”.

“Não ficou nada surpreso” ao ouvir que o Papa Francisco apoiava as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, acrescentando: “Para mim, foi como uma consequência natural das coisas que ele fez”, disse o amigo gay do pontífice.

O Papa Francisco ganhou as manchetes globais quando o novo documentário, intitulado Francesco, estreou no Festival de Cinema de Roma em 21 de outubro.

VEJA TAMBÉM:  Arcebispo irlandês admite: "Igreja Católica é culpada de tornar pessoas LGBT+ 'miseráveis'"

Mais tarde, descobriu-se que seus comentários sobre as uniões civis não eram novos, mas na verdade foram tirados de uma entrevista de 2019 que o chefe da Igreja Católica deu à estação de televisão mexicana Televisa.