No último mês de outubro, o diretor de uma escola cristã dos Estados Unidos expulsou um aluno com notas excelentes, por ele ser gay.

Devin Bryant, de 17 anos, começaria o último ano na Covenant Christian Academy em Colleyville, Texas, quando o novo diretor da escola, Tony Jefrey, telefonou para sua mãe Consolata informando que o aluno não poderia mais estudar na instituição.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Escola expulsa aluno por ser gay
Devin Bryant começaria o último ano na Covenant Christian Academy em Colleyville, Texas, quando o novo diretor da escola telefonou para sua mãe informando que ele não poderia mais estudar na instituição.

De acordo com o site Gay Star News, o adolescente assumiu ser gay por meio de um post no Instagram em outubro do ano passado, no dia do seu aniversário, e na época houve uma boa reação das pessoas, recebendo, inclusive, o apoio de alguns professores apesar da fé cristã. Não houve qualquer manifestação oficial da escola sobre o fato.

Dez meses depois, quando Devin fez sua inscrição para a vaga no último ano, o que é uma tradição para os veteranos, foi quando começou o problema. Sua descrição dizia “‘Super gostoso, divertido, atraente, rápido, insano, muito inteligente, extrovertido, fanático por festas, jovem, gay (como feliz, não se preocupe lol), bonito, imprudente, humilde, piromaníaco, divertido, Gay (como homossexual desta vez, desculpe). Apenas uma pessoa”.

Ele estava muito feliz com sua inscrição, mas quando sua mãe foi pagar sua matrícula, já se deparou com o primeiro sinal de que haveria problemas. Ouviu dos administradores da escola que o comportamento do aluno era inaceitável, e que não queriam ouvir a palavra ‘gay’ novamente.

VEJA TAMBÉM:  Estudante transexual é acusada de fraudar cota trans e expulsa de universidade baiana

Dois dias depois, o diretor Tony Jefrey ligou para Consolata informando que Devin não poderia completar seu último ano naquela escola, onde estudava desde a infância, e quando questionado pela mãe do adolescente se “era Cristão, porque Jesus não faria aquilo”, o diretor respondeu: “Estou fazendo o que Jesus gostaria que eu fizesse”.

Consolata admite que assinou o código de conduta da escola, que proíbe homossexualidade, drogas e ‘fornicação’, em letras pequenas. Mas a família teve filhos na Covenant Christian Academy por quase duas décadas.

Devin havia terminado o semestre anterior com notas excelentes, mas não foi o suficiente para continuar na instituição.

O diretor chegou a enviar uma carta aos pais, ex-alunos e professores do colegio elogiando Davin, mas que as “profundas crenças religiosas” da escola diziam que o sexo só poderia ser entre um homem casado e uma mulher.

VEJA TAMBÉM:  Post de Danny Bond gera polêmica no Twitter

Ainda segundo o Gay Star News, o adolescente diz que não guarda ódio ou rancor pelo ocorrido, e que felizmente sua família sente-se confortável com sua sexualidade. Hoje ele cursa o último ano em uma escola pública e se prepara para os testes de aptidão para ingressar em uma universidade.

Aluno expulso de colégio cristão por ser gay
Devin Bryant disse que um novo diretor conseguiu que ele fosse expulso da Covenant Christian Academy por ser gay.

Sua única preocupação é com os outros alunos LGBTQIA+ de sua antiga escola. Ele espera que não aconteça o mesmo que aconteceu com ele, e que a escola adote uma postura mais positiva.

“Eles não falam sobre isso de uma forma que dê às crianças LGBTQ alguma esperança em seu relacionamento com Cristo. Eu quero chamar as pessoas para um padrão mais alto do que eu tenho visto. Se aparecer outro garoto gay [na escola], fico com medo por eles.”

Mas acrescentou: “Eu mantenho relacionamento com os professores [de lá] que sempre vou valorizar. Eles são pessoas genuinamente boas que me amam e me aceitam. Eu não tenho nenhum ódio ou rancor. Eu sei que vou acabar bem”.