Já há muito tempo, um dos comportamentos mais automáticos e naturais de pessoas que se gostam – seja por amizade ou paixão – é andar dando as mãos. Aliás, até as lontras fazem isso na natureza, sabiam?

Mas em um mundo ainda sem plena igualdade de direitos e muito preconceito, esta não é uma realidade pra muitas pessoas.

Uma pesquisa realizada e publicada pelo governo do Reino Unido, que colheu dados de mais de 108 mil participantes, revelou que a maioria das pessoas LGBTs não dá as mãos aos parceiros em público.

Impressionantes 68% dos entrevistados assumiram evitar dar as mãos em público. E as razões citadas foram parecidas.

“Fiquei impressionada com quantos disseram que não podem ser eles mesmos por conta de sua orientação sexual principalmente pelo medo de uma reação negativa inesperada da sociedade ao redor”, disse Thereza May, a primeira-ministra do Reino Unido sobre o resultado do levantamento.

E acrescentou: “Ninguém deveria esconder quem é de verdade ou quem se ama.”

Os motivos apontados variam pouco. Há os que não se assumem ainda publicamente, mas também há os que se assumem e simplesmente tem medos que variam do olhar de rejeição da sociedade a uma possível violência verbal ou física que possa ocorrer por conta disso.

Embora seja cada vez mais comum o simples ato de dar as mãos (principalmente nos grandes centros urbanos), no próprio meio LGBT, conforme relataram alguns entrevistados, a atitude ainda é vista como um ato heróico de muita coragem.

Dar as mãos, um beijo no parceiro ao deixá-lo no trabalho ou pegando um trem juntos, tudo isso é perfeitamente normal e fora de questionamento para pessoas heterossexuais. Para LGBTs, conforme só confirmou a pesquisa (que a gente já sabia na prática), isso é sempre um campo minado.

Qual casal LGBT nunca desfez as mãos dadas automaticamente ao passar por alguém na rua? Você mesmo que pode estar lendo esta matéria…

Geralmente acabamos muitas vezes só dando um abraço discreto e mais distante no máximo. E que ele dure uma fração de segundo. E é isso…

Considerando ainda que, no Reino Unido, onde a pesquisa foi realizada, ser LGBT já seja algo muito mais tranquilo com uma igualdade de direitos já reconhecida pela lei e maior parte da sociedade, isso mostra que ainda há muito a se evoluir pelo fim do preconceito em todo o mundo, mesmo onde a tolerância já predomina.

Imagine então em outros países como o Brasil, México… ou outros em situações muito piores em relação a Direitos LGBT como Rússia ou países do Oriente Médio e Ásia, por exemplo…

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).