Pegou bem mal a escalação de Scartlett Johansson para protagonizar do filme “Rub & Thug”, que contará a biografia de um homem trans que viveu na década de 70, quando nem um consenso científico ou mesmo pessoal existia sobre o assunto da transexualidade.

A escolha da atriz Scarlett Johansson para o papel principal deixou muita gente decepcionada por não ser a primeira vez que Scarlett rouba o protagonismo em um lugar de fala que não é o seu. Em 2017, em The Ghost of Shell, a atriz fez o papel de uma personagem protagonista asiática.

A questão não é simples e o problema em si não é simplesmente a escalação de um ator, mas a eterna escalação de uma pessoa dentro dos padrões até quando é para representar vidas fora dos padrões. Isso deixa o mercado e as chances de trabalho para estas pessoas (não só trans, mas asiáticas e afrodescendentes por exemplo), que já é muito mais difícil, praticamente impossível.

[poll id=”2″]

Um exemplo recente no Brasil, alvo de muitas críticas foi a novela “Segundo Sol” da TV Globo, por escalar praticamente só atores brancos pra uma trama que se passa na Bahia, onde mais da metade da população é negra. Outro caso da emissora foi a novela “Sol Nascente”, que trouxe como asiática, a atriz Giovanna Antonelli. RISOS. Mas felizmente o erro parece começar a ter sido consertado somente agora, com Renata Sorrah saindo do time da próxima novela de Aguinaldo Silva e dando lugar a Nany People para interpretar a primeira vilã transexual de uma novela das nove.

Entendam: Em tese um ator poderia interpretar a vida de qualquer pessoa, o ofício do ator é esse. Tá certo. Mas em um mundo ainda injusto e sem oportunidades iguais, seria uma questão de empatia e humanidade dar este protagonismo a estas pessoas menos privilegiadas, principalmente quando é para falar delas e dar visibilidade às suas questões. Qual lição pode dar uma obra sobre pessoas trans, por exemplo, sem sequer empregar esta população tão ignorada e marginalizada?

Em resposta as críticas, Scarlett simplesmente comentou: “Reclamem com Jeffrey Tambor, Jared Leto e Felicity Huffman!”, se referindo a atores cisgênero que já viveram personagens trans (e muito bem, diga-se de passagem!).

Ok, mas isso foi no passado. E realmente já tivemos muitos atores cis interpretando personagens trans. Mas o mundo evolui e os tempos são outros. É uma questão de estar desatualizado não saber disso, Scarlett.

(continua abaixo)


Veja também:


Com a repercussão da notícia, a atriz Jamie Clayton fez um post convocando e desafiando a indústria para que contratem atores transgênero para papéis cisgênero. AHÁ! ESTE é o cerne da questão!

Enfim, sabendo disso, o site GayStarNews sugeriu alguns homens trans que são atores, talentosos, estão bem de acordo com o perfil físico do protagonista de “Rub & Thug”. Ah, além dos 5 gringos, também coloquei um brasileiro e bem talentoso que conheço, Léo Moreira Sá. Se você ainda não conhece estes atores, aproveita agora e já vai seguindo:

[masterslider id=”14″]

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).