Nem todo gay quer morar em São Paulo, mas sim, uma grande parte tem esse desejo e os motivos são muitos: mercado de trabalho, cursos, cidade grande com menos opressão homofóbica e o fervo, sim, os locais mais babadeiros do país se encontram na pauliceia e naturalmente que acabam se tornando locais de desejo.

Mas será que é assim fácil, arruma as malas e vai morar em São Paulo? Quais os passos essenciais a seguir para garantir que você consiga sobreviver pelo menos os primeiros anos sem se afogar em dívidas? Não existe uma fórmula, não importa o mercado de trabalho que você pertença. É preciso se organizar.

Na parte I das dicas para morarem São Paulo, a gente falou de grana, aluguel, segurança e planejamento. Na parte dois (vídeo acima) o assunto é o tempo que você precisa se dar para entender a ideia de vencer e como o mercado enxerga os diferentes profissionais e suas áreas em cidades maiores.

VEJA TAMBÉM:  Coordenador LGBT indicado por Bruno Covas é acusado de corrupção na Parada LGBT de SP

Obviamente que nem tudo são flores e os 5 primeiros anos são muito difíceis, então você precisa de planejamento, autocontrole e maturidade para entender que morar em São Paulo e viver por um tempo só com o necessário significa abrir mão de algumas regalias para que essa mudança dê certo. Se liga nas dicas e vem!