Uma multidão de apoiadores de Trump esteve em um comício onde, de repente, começou a tocar Macho Man, clássico do Village People, em Nevada, como relata nota da Vanity Fair. A faixa foi escolhida para representar Trump, que tem mãos notoriamente pequenas, como um cara durão. É irônico que o hino gay tenha sido tocado em um comício republicano, devido ao histórico do partido de oposição aos direitos LGBTIQ.

Em junho, o único membro original ainda com o Village People, pediu que a campanha de Trump parasse de usar sua música. “Peço que você não use mais nenhuma música minha em seus comícios, especialmente YMCA e Macho Man. Desculpe, mas não posso mais olhar para o outro lado”, disse o membro fundador do grupo, Victor Willis.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

No passado, Willis assumiu uma postura mais relaxada quando foi relatado que Macho Man foi usado como parte da música de entrada de Trump durante uma aparição na Índia. “Nossa música inclui tudo e certamente todos têm o direito de dançar a dança YMCA, independentemente de sua filiação política. Dito isso, certamente não endossamos seu uso, pois preferimos que nossa música seja mantida fora da política”, diz um comunicado no Facebook.

VEJA TAMBÉM:  Karamo Brown, do Queer Eye, detona governo homofóbico de Trump em premiação

Ele parece ter mudado sua postura depois que Trump tuitou “quando começa a pilhagem, começa o tiroteio”, em junho. The Village People se junta a uma longa lista de artistas que pediram à campanha do Trump para parar de usar sua música, incluindo Adele, Aerosmith, The Beatles, Bruce Springsteen, Eddy Grant, Elton John, Guns N ‘Roses, Linkin Park, Luciano Pavarotti, Neil Young , Nickelback, Panic At The Disco, Pharrell Williams, Queen, REM e Rihanna, bem como as propriedades de Prince, Leonard Cohen e Tom Petty.

Os Rolling Stones estão supostamente tomando medidas legais depois que suas solicitações de negação de permissão para uso foram ignoradas.