De acordo com pesquisa publicada no Archives of Sexual Behavior, metade dos homens gays e bissexuais se identificam como versátil, enquanto a outra metade é igualmente composta por ativos ou passivos.

Esses números sugerem que os gays versáteis representam a maioria, mas parece haver ceticismo quando expressamos essa preferência. Depois de falar com dezenas de homens sexualmente versáteis, mais da metade disse ter sido sujeita a algum tipo de julgamento por parte dos parceiros.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“As pessoas sempre tentam forçá-lo a escolher uma posição em detrimento da outra”, David, 29, diz à NewNowNext. “Quando alguém descobre que eu também sou passivo, de repente você não é mais versátil, você é apenas mais um passivo disfarçando. É frustrante porque gosto de ambos igualmente, só depende da química que tenho com meu parceiro”.

O ator pornô Jeremy Feist é versátil, mas, como David, diz que o papel que ele assume depende inteiramente de com quem está transando. Por exemplo, ele tende a ser ativo com o marido, mas quando filma, ele costuma fazer passivo, ele conta que tem uma tattoo nas costas que diz “(mete) mais forte” e isso pode influenciar seu trabalho coo ator.

VEJA TAMBÉM:  Ranking do Grindr revela quais países tem mais ativos e mais passivos

“Se você sai com 99 caras sendo ativo e um dia você resolveu ser passivo daí você acaba de virar um “power-bottom” (super passivo). Lembro-me de uma vez que comi um cara e quando cheguei, eu estava de jock, e ele disse: ‘Espera, você também é passivo? Porque só passivo usa joc, não?”

Existem várias teorias que explicam por que alguns categorizam os homens versáteis como passivos, a maioria das quais se origina do sexismo e da vergonha. Alguns assumem que o passivo usa versátil como rótulo para poupá-los de julgamento, a implicação é que os passivos são menos “masculinos” e, portanto, menos desejáveis.

A aparência também influencia esse ceticismo sobre o gay versátil. Quando se deparam com alguém de estatura maior, as pessoas tendem a associar isso a uma definição convencional de masculinidade e assumir que são ativos. Por outro lado, alguém de estatura menor parece mais “feminino” e presumimos que seja “inferior sexualmente” assumindo o papel de passivo.

VEJA TAMBÉM:  Site vai pagar usuários para assistir pornô

“Um ex, que era 100% ativo, costumava me envergonhar e dizer que não sou ‘homem o suficiente’ para superá-lo e que seria mais desejável se fosse 100% passivo”, disse Wilson, 27, ao NewNowNext . “Definitivamente isso detonou minha autoestima por um tempo, mas felizmente a terapia e o amor-próprio me ajudaram a curar.”

Depois de conduzir uma entrevista de acompanhamento para o estudo acima mencionado sobre preferências posicionais, os pesquisadores descobriram que 48% dos homens versáteis são passivos com mais frequência, enquanto 52% são mais ativos. Isso confirma que a suposição de que homens versáteis são realmente passivos “encubados”.

As pessoas estão condicionadas a ver as coisas de uma perspectiva binária. Bom ou ruim, masculino ou feminino. “O excesso de confiança neste tipo de pensamento tudo ou nada é uma forma de distorção cognitiva que muitas vezes resulta em simplificar demais questões complicadas e ignorar a área cinzenta”, acrescenta Olavarria.

Essa mesma distorção cognitiva é usada para invalidar pessoas bissexuais (que, assim como outras pessoas, representam a maior proporção da comunidade LGBTQ), pois suas tendências desafiam o pensamento binário. Mas, como os bissexuais, gays versáteis ainda podem se identificar como versáteis mesmo preferindo mais uma posição ou outra.

VEJA TAMBÉM:  MG, a nova DST que causa inflamação do pênis; informe-se
versátil
Foto: NewNowNext (imagem reprodução)

O gay versátil e o binarismo

Todos nós temos direito às nossas próprias preferências, mas ficar de um lado do binário ativo / passivo pode nos roubar uma experiência esclarecedora – ou simplesmente sexy. Mesmo que descubramos que a versatilidade não é nossa, a exploração sexual consensual pode transmitir alguns conhecimentos valiosos.

O fato é que nossa identidade sexual é exatamente isso: a nossa. A maneira como sentimos, experimentamos o desejo e agimos de acordo com esses desejos é legítima. Então, vamos acreditar na palavra das pessoas. Em vez de julgar homens gays ou bissexuais quando eles dizem que são versáteis, vamos apoiá-los e interrogar nossas próprias noções preconcebidas. Acredite neles e reconheça que qualquer ceticismo deriva de ideais sexistas e heteronormativas, que não têm lugar em nossa comunidade.