Um estudo da Holanda revelou que homens gays e bissexuais que fazem uso de PrEP tem mostrado redução no uso de outras drogas para o sexo e também e na “compulsão sexual”.

Participantes do estudo responderam perguntas como: “Meus pensamentos e comportamentos sexuais estão causando problemas em minha vida?” e “Às vezes não consigo cumprir meus compromissos e responsabilidades por causa de meus comportamentos sexuais?”. Pontuando pelo menos 24 de 40 questões no questionário, o resultado considerado seria um alto grau de compulsão sexual.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O estudo AmsterdamPrEP – noticiado pelo portal Queerty – foi publicado pelo The Lancet e analisou mais de 340 indivíduos ao longo de três anos. Os autores explicaram que queriam analisar se tomar a medicação – que impede você de adquirir o HIV – tem impacto sobre o uso de álcool e drogas, além de monitorar a saúde mental dos participantes.

Os participantes frequentaram a maior clínica de DST em Amsterdã. Nos três meses que antecederam o estudo, “eles relataram uma média de 15 parceiros sexuais” cada, e 37% usaram cinco ou mais tipos de drogas.

VEJA TAMBÉM:  Emocionante! Pabllo Vittar canta Cazuza em homenagem a rapaz que vive com HIV

Muitos estudos descobriram que as pessoas LGBTQ têm mais probabilidade de ter problemas de saúde mental do que seus pares heterossexuais – devido a estigma, preconceito e situações de risco, ansiedade e rejeição que vivenciam muito mais – e que também há maior probabilidade de que bebamos muito ou usemos drogas. Por conta disso, não é surpreendente que um número maior de pessoas que tomam PrEP relatou ter mais problemas como ansiedade e depressão do que a população holandesa em geral.

As principais conclusões do estudo foram:

  • Os que relataram compulsão sexual caíram de 23% para 10% ao longo dos três anos de estudo.
  • O uso de drogas diminuiu de 38% para 31%, principalmente no uso de ecstasy (MDMA) e poppers. Nenhuma queda significativa foi observada no uso de outras drogas (GHB, cocaína, key, etc).
  • Não houve queda significativa naqueles que relataram consumo problemático de álcool.
  • Não houve mudança significativa nos números de relatórios de ansiedade ou depressão. No entanto, houve uma queda significativa na ansiedade relacionada à aquisição do HIV.
  • Os homens no estudo eram menos propensos a procurar ajuda para seus problemas de saúde mental relatados (apenas 18% disseram que procuraram ajuda) em comparação com a população holandesa em geral (34% daqueles com problemas de saúde mental dizem que falaram com um médico sobre isso).
  • Em sua conclusão, os autores dizem que a “diminuição do transtorno do uso de drogas e da compulsão sexual foi inesperada”.
VEJA TAMBÉM:  PrEP será disponibilizada gratuitamente nos Estados Unidos

Especulando sobre as razões por trás dos resultados, pesquisadores disseram acreditar que a queda na ansiedade em adquirir o HIV pode tornar algumas pessoas menos dependentes de drogas para combater sua inibição sexual.

Eles também apontam para o fato de que aqueles que tomam PrEP tiveram que fazer um check-up trimestral de DST. Isso significa que eles são mais propensos a receber aconselhamento motivacional sobre seu comportamento sexual, o que poderia explicar a queda na compulsão sexual. Os check-ups regulares podem fazê-los refletir mais sobre suas escolhas de saúde.

No entanto, os autores alertaram que mais estudos são necessários, pois “não está claro por que a proporção de pessoas com transtorno de uso de drogas estava diminuindo, enquanto a de ansiedade ou depressão não mudou durante o uso de PrEP.”

E por fim lembraram que mais pode ser feito para lidar com o nível de ansiedade e depressão entre as pessoas que procuram a PrEP, e “os serviços de PrEP oferecem uma oportunidade única de integrar os cuidados com a saúde mental.”

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).