Um estudo da Holanda revelou que homens gays e bissexuais que fazem uso de PrEP tem mostrado redução no uso de outras drogas para o sexo e também e na “compulsão sexual”.

Participantes do estudo responderam perguntas como: “Meus pensamentos e comportamentos sexuais estão causando problemas em minha vida?” e “Às vezes não consigo cumprir meus compromissos e responsabilidades por causa de meus comportamentos sexuais?”. Pontuando pelo menos 24 de 40 questões no questionário, o resultado considerado seria um alto grau de compulsão sexual.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O estudo AmsterdamPrEP – noticiado pelo portal Queerty – foi publicado pelo The Lancet e analisou mais de 340 indivíduos ao longo de três anos. Os autores explicaram que queriam analisar se tomar a medicação – que impede você de adquirir o HIV – tem impacto sobre o uso de álcool e drogas, além de monitorar a saúde mental dos participantes.

Os participantes frequentaram a maior clínica de DST em Amsterdã. Nos três meses que antecederam o estudo, “eles relataram uma média de 15 parceiros sexuais” cada, e 37% usaram cinco ou mais tipos de drogas.

VEJA TAMBÉM:  28% dos millennials têm medo de abraçar uma pessoa que vive com HIV, revela estudo

Muitos estudos descobriram que as pessoas LGBTQ têm mais probabilidade de ter problemas de saúde mental do que seus pares heterossexuais – devido a estigma, preconceito e situações de risco, ansiedade e rejeição que vivenciam muito mais – e que também há maior probabilidade de que bebamos muito ou usemos drogas. Por conta disso, não é surpreendente que um número maior de pessoas que tomam PrEP relatou ter mais problemas como ansiedade e depressão do que a população holandesa em geral.

As principais conclusões do estudo foram:

  • Os que relataram compulsão sexual caíram de 23% para 10% ao longo dos três anos de estudo.
  • O uso de drogas diminuiu de 38% para 31%, principalmente no uso de ecstasy (MDMA) e poppers. Nenhuma queda significativa foi observada no uso de outras drogas (GHB, cocaína, key, etc).
  • Não houve queda significativa naqueles que relataram consumo problemático de álcool.
  • Não houve mudança significativa nos números de relatórios de ansiedade ou depressão. No entanto, houve uma queda significativa na ansiedade relacionada à aquisição do HIV.
  • Os homens no estudo eram menos propensos a procurar ajuda para seus problemas de saúde mental relatados (apenas 18% disseram que procuraram ajuda) em comparação com a população holandesa em geral (34% daqueles com problemas de saúde mental dizem que falaram com um médico sobre isso).
  • Em sua conclusão, os autores dizem que a “diminuição do transtorno do uso de drogas e da compulsão sexual foi inesperada”.
VEJA TAMBÉM:  Pesquisas avançam sobre cura definitiva do HIV/Aids

Especulando sobre as razões por trás dos resultados, pesquisadores disseram acreditar que a queda na ansiedade em adquirir o HIV pode tornar algumas pessoas menos dependentes de drogas para combater sua inibição sexual.

Eles também apontam para o fato de que aqueles que tomam PrEP tiveram que fazer um check-up trimestral de DST. Isso significa que eles são mais propensos a receber aconselhamento motivacional sobre seu comportamento sexual, o que poderia explicar a queda na compulsão sexual. Os check-ups regulares podem fazê-los refletir mais sobre suas escolhas de saúde.

No entanto, os autores alertaram que mais estudos são necessários, pois “não está claro por que a proporção de pessoas com transtorno de uso de drogas estava diminuindo, enquanto a de ansiedade ou depressão não mudou durante o uso de PrEP.”

E por fim lembraram que mais pode ser feito para lidar com o nível de ansiedade e depressão entre as pessoas que procuram a PrEP, e “os serviços de PrEP oferecem uma oportunidade única de integrar os cuidados com a saúde mental.”

VEJA TAMBÉM:  Governo Bolsonaro desmonta programas de HIV e Hepatite C
Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).