A prefeitura de NY finalmente revogou lei municipal que levou a tantas prisões discriminatórias de mulheres trans negras e que ficou conhecida como a proibição de “caminhar sendo trans”, exato, a polícia podia prender pessoas trans só por elas existirem.

O polêmico estatuto foi introduzido em 1976 em uma tentativa de conter a “vadiagem” para fins de prostituição, mas acabou dando rédea solta à aplicação da lei para atingir a comunidade trans.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Isso permitiu que a polícia “parasse e revistasse mulheres trans negras e outros grupos marginalizados simplesmente por andarem na rua”, disse o senador democrata Brad Hoylman, principal patrocinador da legislação que revogou a lei.

“Esta lei discriminatória desatualizada levou a centenas de prisões desnecessárias de mulheres transgênero de cor e uma cultura mais ampla de medo e intimidação para os nova-iorquinos transgêneros e não-conformes de gênero”, acrescentou.

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, reconheceu a mágoa e os danos causados ​​pela proibição de “caminhar sendo trans” ao derrubar a lei arcaica na terça-feira (2 de fevereiro).

VEJA TAMBÉM:  Criminosos que espancaram gêmeos após confundir com casal gay são condenados

“O COVID expôs a maré baixa na América e essa lei é um exemplo da feia tendência de injustiças que os transgêneros nova-iorquinos – especialmente os de cor – enfrentam simplesmente por andar na rua”, disse ele em um comunicado.

Polícia terá novo guia de patrulha com revogação de lei que proíbe persegeuir trans negras

“Por muito tempo, as pessoas trans foram injustamente alvejadas e desproporcionalmente policiadas por conduta inocente e legal baseada apenas em sua aparência. Revogar a lei é um passo crítico para reformar nosso sistema de policiamento e reduzir o assédio e a criminalização que os transgêneros enfrentam simplesmente por serem eles mesmos.”

De 2012 a 2015, 85% das pessoas presas de acordo com a lei penal eram negras ou latinas, de acordo com as estatísticas de prisões na cidade citadas no memorando do patrocinador.

VEJA TAMBÉM:  Pastor anti-LGBT é preso por abuso sexual de oito menores de idade

Segundo o Pink News, O NYPD foi forçado a revisar seu guia de patrulha em 2019 após uma ação coletiva em nome de várias mulheres trans negras que argumentaram que foram injustamente visadas pela aplicação da lei.

O guia agora proíbe especificamente os policiais de confiarem em “gênero, identidade de gênero, roupa e localização” para estabelecer a causa provável – mas a revogação final da proibição corrige a injustiça de uma vez por todas.