Embora ainda esteja longe de ser distribuída em larga escala no Brasil, a PrEP vai ampliando cada vez mais seu alcance e importância. Pudera, onde tem maior distribuição, o remédio vem diminuindo cada vez mais o número de novos casos de HIV, algo que nunca se viu desde o surgimento do vírus.

Pra se ter ideia, no Reino Unido, o número de novas infecções por HIV caiu 71% graças a aderência da PrEP, e ainda há uma prospecção para se zerar o número de novos casos de HIV na próxima década com o aumento do programa incentivado por órgãos de saúde federais. O mesmo acontece na Austrália e alguns outros países.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Agora, um levantamento do Ministério da Saúde do Brasil revelou o perfil dos usuários de PrEP no país de acordo com gênero, sexualidade, idade e etnia, conforme noticiou o portal Guia Gay BH.

VEJA TAMBÉM:  Cientistas conseguem curar HIV em camundongos com novo procedimento

Embora o SUS seja universal, é curioso constatar que o público não tenha um perfil tão variado. De um total de 25.301 pessoas que usam PrEP pelo SUS no Brasil, 80,3% são homens cisgêneros gays ou bissexuais.

Já 9,28% são mulheres cigêneros, 6,6% homens héteros cisgêneros, 3,05% mulheres trans, 0,44% travestis e 0,33% homens trans.

PrEP por gênero/sexualidade no Brasil. (Gráfico Põe Na Roda / Fonte dos dados: Ministério da Saúde)
PrEP por gênero/sexualidade no Brasil. (Gráfico Põe Na Roda / Fonte dos dados: Ministério da Saúde)

Outro recorte do estudo mostrou que 57,14% dos usuários de PrEP são pessoas brancas ou amarelas, contra 42,52 pretos e 0,34% indígenas.

Vale lembrar que um balanço do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo relatou a baixa procura pela PrEP entre a população trans, pessoas negras e de baixa renda, profissionais do sexo e gays mais jovens (18-25 anos).

PrEP por etnia no Brasil. (Gráfico Põe Na Roda / Fonte dos dados: Ministério da Saúde)
PrEP por etnia no Brasil. (Gráfico Põe Na Roda / Fonte dos dados: Ministério da Saúde)

Considerando idade, o segmento mais presente são pessoas de 30 a 39 anos compondo 40,84% do total. Em seguida vem pessoas de 25 a 29 anos sendo 24,08%, 40 a 49 anos alcançando 16,57%, 18 a 24 anos somente 12,28% e acima de 50 anos 6,23% das pessoas.

VEJA TAMBÉM:  Nova cepa de HIV resistente à PrEP é identificada por médicos
PrEP por idade no Brasil. (Gráfico Põe Na Roda / Fonte dos dados: Ministério da Saúde)
PrEP por idade no Brasil. (Gráfico Põe Na Roda / Fonte dos dados: Ministério da Saúde)

O dado sobre jovens de 18 a 24 anos com somente 12,28% de participação é preocupante, uma vez que entre jovens é onde há o maior número de novos casos de HIV.

Sobre a aderência e fidelidade ao tratamento preventivo ao HIV, homens gays e bissexuais são os que menos interromperam ou deixaram o uso: 40%. Em seguida vem mulheres cis com 58%, homens héteros cis com 53% e travestis com 52%.

Sobre as razões pelas quais muitos deixam de usar o medicamento, a desconstinuidade é atribuída ao fato de a pessoa não voltar para a consulta. Vale lembrar que, quem usa PrEP deve retornar a cada 2 meses ao posto de saúde para pegar os novos medicamentos e também se testar em relação a ISTs (o que todo mundo deveria fazer!).

Ainda hoje a PrEP não é distribuída em todas as cidades do Brasil pelo SUS, se concentrando principalmente em São Paulo (quase 40% de toda distribuição nacional) e nas capitais do país. O medicamento também pode ser adquirido na rede particular de farmácias desde abril de 2018.

VEJA TAMBÉM:  Erro de gestão Crivella deixa Rio de Janeiro sem remédios de HIV
Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).