As pessoas LGBT+ estão começando a se organizar para apoiar a comunidade durante a pandemia de coronavírus.

As organizações de HIV e a Rede Nacional de Câncer LGBT dos EUA forneceram conselhos gerais que todas as pessoas LGBT+ podem utilizar durante o período. Enquanto isso, uma organização chamada Queercare UK está tentando coordenar outras organizações LGBT+ para fornecer um suporte melhorado.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

A intenção das organizações é que as pessoas possam se ajudar preenchendo formulários de inscrições, que permitem solicitar voluntários.

Inspirada no movimento, a Karada House, um espaço artístico queer em Berlim (Alemanha) também iniciou a própria rede de ajuda pessoas LGBT+ a superar a pandemia. Ela segue o mesmo esquema, por meio do preenchimento de formulário pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade podem solicitar comida ou ajuda com a saúde mental. As pessoas também podem oferecer outros serviços que acreditem poder ajudar na situação.

VEJA TAMBÉM:  Coronavírus: apesar dos estoques baixos de sangue, restrição de doação por gays continua

Enquanto isso, o Queer Voices Heard, uma nova empresa social no Reino Unido, pesquisa como as pessoas LGBT+ respondem a situação gerada pelo COVID-19.

Em pesquisas que estão sendo realizadas no Reino Unido, as pessoas são questionadas sobre quais mudanças fazem durante a época de pandemia, além disso procura entender como a comunidade LGBT+ procura os serviços de saúde e lideranças. Outro ponto abordado pelo estudo é sobre o cancelamento das paradas de orgulho LGBT+ ao redor do mundo.

“Sempre há um conjunto único de circunstâncias para as pessoas LGBTQ + que as agências de votação em geral simplesmente não cobrem. Portanto, esperamos que esta pesquisa ajude as pessoas a entender quem precisam procurar e como”, afirma Stu Hosker, co-fundador do Queer Voices Heard.

VEJA TAMBÉM:  Frequentadores de pool party gay de Miami que atraiu milhares, testam positivo pra coronavírus

A Rede Nacional de Câncer LGBT, nos EUA, diz que as pessoas LGBT+ são mais vulneráveis ao COVID-19 devido a situação de difícil acesso a serviços públicos que elas vivem, como a dificuldade em obter assistência médica e a maior tendência a fumar.

 

Matéria traduzida do site Gay Star News.