O médico infectologista Vinicius Borges, mais conhecido nas redes sociais como Doutor Maravilha, fez uma thread em seu Twitter explicando didaticamente a notícia veiculada em toda mídia recentemente, sobre a descoberta de uma nova cepa de HIV resistente a PrEP.

Pra quem não sabe, PrEP é uma medicação extremamente eficaz que, ingerida diariamente, evita uma possível contaminação por HIV. O remédio é disponibilizado no Brasil gratuitamente pelo SUS – infelizmente ainda de maneira limitada, apenas em algumas capitais – para pessoas que tem maior chance de práticas de risco ou maior chance de contágio pelo HIV estatisticamente (homens gays cis, mulheres trans e travestis).

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

A descoberta do caso de um homem francês que adquiriu um tipo de HIV resistente a PrEP, preocupou internautas e fez a notícia viralizar rapidamente na Internet, gerando alarde. Mas, conforme explicou o apresentador do Gays Anatomy do Põe Na Roda, não há razão para pânico.

O infectologista Vinícius Borges, criador do canal Doutor Maravilha (Foto: Arquivo Pessoal)
O infectologista Vinícius Borges, criador do canal Doutor Maravilha (Foto: Arquivo Pessoal)

Acompanhe abaixo o texto desenvolvido por Vinicius em seu post, explicando ponto a ponto o caso. Aproveite e siga seu Twitter ou Instagram para ficar sempre por dentro.

VEJA TAMBÉM:  SERÁ? Polícia encontra 30 músicas inéditas de Renato Russo

“Recentemente foi divulgado um artigo na revista médica The Lancet, relatando a transmissão SEXUAL de um subtipo de HIV ‘extensivamente’ resistente a drogas (4 classes) em um jovem francês HSH (homem que faz sexo com homens).

NÃO. O jovem não utilizava PrEP. E mesmo se utilizasse, ele  provavelmente também seria infectado porque o vírus era resistente aos componentes da PrEP. Destrinchando o artigo então, preciso explicar algumas coisas para vocês:

1 – Subtipos de HIV resistentes sempre existiram e sempre vão existir. E uma das principais causas é a falha de ADESÃO. Pessoas que não têm condições físicas, psicológicas e sociais de tomar a medicação continuamente, na frequência e posologia corretas e, assim, acabam selecionando vírus resistentes.

2 – Esses vírus mutantes perdem muito da capacidade de replicação, chamada ‘fitness’ em virologia. Ou seja, ao mesmo tempo em que são resistentes, eles têm baixa capacidade de se reproduzirem e gerarem uma carga viral alta e infectar outras pessoas. Mas neste caso, o vírus se adaptou muito bem ao hospedeiro e conseguiu realizar essa façanha.

3 –  A transmissão de um vírus com tantas mutações (inclusive com um grau de resistência à inibidores de integrase) é um evento sem precedentes e mostra que realmente as interações de  agente x hospedeiro x ambiente são únicas.

4 – Muitos noticiários estão veiculando a informação como se isso fosse uma condenação para a PrEP. Não é. A PrEP possui eficácia para prevenção de HIV maior que 90% e os poucos casos de falha de sua utilização são relacionados  também a falhas de adesão. Pessoas que não estavam tomando direito.

A PrEP protege contra os subtipos de HIV mais comuns que estão circulando por aí? Sim. Protege contra todos? Não. Não existe método infalível. Há chance desses subtipos extensivamente resistentes se espalharem pelo mundo? Existe, mas pouco provável. E novas fórmulas de PrEP estão surgindo ao mesmo tempo, inclusive mais potentes.

Ou seja, não adianta vocês colocarem todas suas expectativas num método só. Parem de achar que endeusar ou abominar a PrEP é o caminho”.

Por fim, Doutor Maravilha lembra do mais importante: “Tudo está mudando. O que funciona hoje pode não funcionar amanhã e está tudo bem. O importante é manter o senso crítico, valorizar a ciência e praticar o gerenciamento de risco.“

VEJA TAMBÉM:  Instagram rejeita anúncio sobre "PrEP" alegando ser "político demais" para a plataforma

Ou seja, a PrEP atualmente é segura e não há porque temer, além de ser um dos métodos mais eficazes de prevenir contra o HIV (estatisticamente até mais seguro que a camisinha, embora fique atento: não previne outras ISTs). Mas a prevenção combinada, ou seja, aliar camisinha + PrEP + testagem frequente e calcular riscos entre um ou outro método de acordo com o que (e principalmente com quem) você quiser fazer o que tem vontade, é o caminho para uma sexualidade mais livre, mais consciente e mais segura.

Aproveite e assista abaixo ao vídeo do Gays Anatomy, do Põe Na Roda, desmistificando a PrEP com o Doutor Maravilha:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).