O sargento LGBT Michel Uchiha falou com exclusividade ao portal Revista Fórum sobre ataques sofridos após se lançar pré-candidato a vereador pelo PSB. Uchiha que também é escritor de romances LGBT, tem enfrentado ataques nas redes advindos de oficiais da própria Marinha, como ele revela ao portal.

O motivo seria sua pré-candidatura a vereador nas eleições de 2020 pelo PSB, partido do campo de oposição ao presidente Jair Bolsonaro, declaradamente homofóbico. Segundo o sargento LGBGT, que esteve nos protestos contra a censura artística de Marcelo Crivella na bienal do Livro no ano passado, os ataques começaram quando fizeram uma publicação no grupo “LGBTs pela Democracia” no Facebook o comparando com o ex-policial militar Gabriel Monteiro.

“Depois disso comecei a sofrer ataques, rastrearam minhas redes sociais, viram que eu sou crítico a atitudes do governo Bolsonaro e abriram uma sindicância mesmo eu estando em férias para tentar me punir”, afirmou o pré-candidato à Revista Fórum.

O sargento já está há quase 11 anos nas forças armadas da marinha contou que seu noivo teve que trancar as redes sociais em razão dos ataques: “É triste a gente saber que a nossa democracia está tão fragilizada a ponto de eu não poder me manifestar politicamente mesmo eu estando em um dos maiores partidos políticos do Brasil, o PSB, ainda mais em uma capital”, declarou.

Ele acredita que a manifestação de apoio do deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ) à pré-candidatura fez com que os ataques aumentassem: “Isso fez com que meu nome chegasse nas máquinas de fake news do Twitter”, declarou. Além de possíveis robôs com contas ‘123456’, ele lamenta que seja alvo de pessoas das próprias Forças Armadas. “As Forças Armadas são reguladoras da Constituição, que prevê a liberdade de expressão”, completa o sargento LGBT.

Segundo informações da Fórum, uma sindicância foi aberta na Marinha e “durante o período de sindicância, o contraventor poderá ficar detido na OM ou em qualquer outro local que seja determinado” e “podem ser mantidos incomunicáveis”. Essa restrição pode impedir o lançamento da candidatura de Uchiha, que está previsto para o dia 16 de setembro.

Questionado sobre os termos da sindicância, que corre sob sigilo, Uchiha preferiu não se manifestar e apenas disse que irá passar por audiência na segunda-feira (14). O processo teria sido iniciado no início de setembro, há 2 meses das eleições de novembro. O sargento LGBT entraria de licença das funções no dia 16, quando teria a filiação registrada e viraria candidato oficialmente.