Já dizia, Lady Gaga: Love Trumps Hate! As últimas eleições americanas entrarão para a história com número recorde de candidatos LGBTs eleitos para os mais variados cargos nos Estados Unidos, informou o New York Times.

Ao todo foram 153 pessoas dentre lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros que conquistaram uma cadeira na política americana em uma bela resposta da população ao conservadorismo do presidente Donald Trump.

A resposta à onda conservadora não vem de hoje. Além do recorde de candidatos e eleitos progressistas não apenas LGBTs mas índios e mulheres, vale lembrar que, recentemente, em Massachussetts, a população decidiu através de um referendo manter uma lei estadual que protege pessoas trans contra discriminação em locais públicos como banheiros, vestiários e hoteis.

No Kansas, um estado predominantemente conservador, Sharice Davids ganhou uma cadeira na Câmara dos Representantes, tornando-se a primeira congressista lésbica do Estado e uma das duas primeiras mulheres nativas americanas eleitas para o Congresso.  Além disso, Brandom Woodard, que se identifica como gay, e Susan Ruyz, lésbica, também foram eleitos pelo Estado.

Até agora, o Kansas era um dos sete Estados que nunca tinha eleito um legislador estadual abertamente LGBT. “O Kansas vai mudar! É surpreendente!”, disse Parker, observando que o Estado também elegeu um governador democrata.


Assista também:


No Colorado, Jared Polis derrotou um oponente conservador republicano para se tornar o primeiro governador abertamente gay da história dos Estados Unidos.

Outro destaque foi para pessoas LGBTs negras. Várias ganharam cadeiras nas assembleias legislativas estaduais, como Sonya Jaquez Lewis, do Colorado, Shrevin Jones, da Flórida e Malcolm Kenyata, que é negro pela Pensilvânia.

Lady Gaga: cantora, atriz, ativista LGBT e opositora de Donald Trump.

Parker lembrou que a vitória nos governos Estaduais e legislativo são importantes, pois as leis Estaduais tendem a ser duradouras e servirem de exemplo a futuras leis federais nos Estados Unidos.

“Se você olhar para onde a maior parte da legislação anti-LGBT se origina em todo o país, ela se inicia em legislaturas estaduais”, disse Parker, citando os cerca de 300 projetos propostos no último ciclo legislativo que teriam prejudicado a comunidade LGBT desde a eleição de Trump.

Foram pelo menos 399 candidatos LGBT em todos os níveis de governo – incluindo 22 para o Congresso e quatro para governador – que apareceram nas urnas nestas eleições. Trata-se do maior número já registrado. A maioria era destes, como esperado, era de democratas, embora também houvesse 18 republicanos conservadores e sete candidatos independentes.

A lista completa dos vencedores das eleições americanas pode ser conferida online.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).