Em um retrocesso histórico, o presidente eleito Jair Bolsonaro confirmou uma de suas promessas mais desastrosas de campanha: a fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente.

É verdade que a fusão de ministérios e enxugamento da máquina pública, a princípio, é uma necessidade no país. Mas juntar o interesse dos agricultores com ambientalistas, está longe de ser uma decisão coerente e pode ser terrível para o futuro do Brasil. Entenda:

O Ministério da Agricultura cuida dos interesses dos agricultores e produtores, que de costume, passam por cima de princípios e regras ambientais motivados por seus próprios interesses financeiros. A preocupação deles não é preservar o meio ambiente responsável pela nossa existência, mas sim ganhar dinheiro produzindo mais e mais, muitas vezes de maneira irresponsável ecologicamente.

Já Ministério do Meio Ambiente é feito justamente para fiscalizar atitudes do tipo e defender o que o Brasil tem de mais precioso e sem o que nós não estaríamos vivos: o meio ambiente, a natureza.

A ideia de se juntar as duas pastas é desastrosa. É literalmente como colocar a raposa para tomar conta do galinheiro.

Ambientalista premiada pela ONU pelos feitos de sua gestão no Ministério do Meio Ambiente, a ex-presidenciável Marina Silva criticou a decisão:

“Isso empurrará o movimento ambientalista, a ter que voltar aos velhos tempos da pressão de fora para dentro, algo que há décadas vinha sendo superado, graças aos sucessivos avanços que se foi galgando em diferentes governos, uns mais outros menos”, disse Marina.

Ainda segundo ela, o problema também se refletirá na imagem do Brasil no exterior e nos prejudicará comercialmente: “Passará aos consumidores no exterior a ideia de que todo o agronegócio brasileiro, em que pese ter aumentado sua produção por ganho de produtividade, sobrevive graças a destruição das florestas, sobretudo na Amazônia, atraindo a sanha das barreiras não tarifárias em prejuízo de todos”, concluiu a ex-candidata ao Palácio do Planalto.

Não apenas Marina Silva, mas vários ambientalistas já partiram justamente criticar a atitude de Bolsonaro. Como adiantou esta matéria da revista Exame: cientistas, ambientalistas, ex-ministros do Meio Ambiente, além do atual gestor da pasta, vêm alertando há algumas semanas que, se Jair Bolsonaro cumprir o que vem prometendo para a área ambiental, o desmatamento da Amazônia poderia disparar e fazer o desmatamento subir 268%

A ONG ambientalista internacional WWF também alertou que Bolsonaro deve cuidar do meio ambiente para economia crescer: “Os nossos recursos naturais proveem serviços ambientais que garantem que setores importantes no país como o agronegócio e energia continuem produzindo e contribuindo para o PIB brasileiro”, declarou André Nahur, coordenador de Mudanças Climáticas do WWF Brasil.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).