Durante a campanha para a reeleição, o atual presidente da Polônia, Andrzej Duda, fez um discurso homofóbico em que atacava a chamada “ideologia LGBT”. A medida teve uma dura repreensão da vice-presidente da comissão executiva do bloco, Vera Jourova.

Jourova destacou que a atitude do presidente vai contra os valores das 27 nações. “Isso é escandaloso – não acredito que isso esteja acontecendo na UE. Não podemos financiar projetos para locais que violam a igualdade, um valor básico na legislação da UE e na Constituição polonesa”, apontou.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Jourova afirmou ser “realmente triste” que, na Europa moderna, autoridades que ocupam altos cargos decidam atacar minorias para obterem possíveis ganhos políticos. “Os políticos devem assumir a responsabilidade por suas palavras. As palavras são importantes e podem ter consequências na vida real”, observou.

Andrzej Duda, do Partido da Lei e da Justiça, tem atacado os LGBT+ para ganhar maior apoio na campanha presidencial, afirmando que vai manter a comunidade longe das crianças e a comparou à doutrinação comunista soviética.

VEJA TAMBÉM:  Homofobia: Expulso de coral da igreja por ser gay, jovem ganha chuva de amor de LGBTs na web

Em pronunciamento na última semana, Duda afirmou que, caso seja eleito no próximo dia 28 de junho, vai incluir em sua pauta a não permissão pelo casamento entre pessoas do mesmo sexo e também adoção de casais LGBTs.

Na corrida eleitoral para o Parlamento no ano passado, o líder do partido Jaroslaw Kaczynski disse que o avanço dos direitos dos gays representava um “grave perigo” para a Polônia e a UE.

O primeiro ministro de Kaczynski, Mateusz Morawiecki, diz repetidamente que seu objetivo é “re-cristianizar a Europa”, enquanto o partido no poder tem tentado proibir o aborto e criminalizar o ensino aos adolescentes sobre os benefícios do uso de preservativos.

De acordo com o Uol, Duda atacou verbalmente os LGBTs depois que as pesquisas de opinião mostraram queda nas intenções de voto em seu nome. Isso ocorreu após escândalos do governo relacionados à compra de equipamentos usados para combater a epidemia de coronavírus na Polônia e depois que membros do partido da Lei e da Justiça desrespeitarem as restrições do lockdown.

VEJA TAMBÉM:  Ministro de Israel diz que seus filhos não seriam gays pois foram criados de maneira saudável