O político republicano EW Jackson disse que as pessoas LGBT+ não gostam de Donald Trump porque ele é “masculino demais” para elas.

De acordo com Jackson, que sem sucesso concorreu a um assento no Senado dos EUA em 2018, Donald Trump é “muito homem” para a comunidade LGBT+, informa o Right Wing Watch.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Estou convencido de que muitas dessas críticas ao presidente também estão relacionadas à sua masculinidade”, disse Jackson. “Ele é um homem, e você sabe que a esquerda não gosta de masculinidade. Acho que o presidente, francamente, é homem demais para eles”, afirmou.

“Eles simplesmente não gostam da masculinidade, e eu acho que isso também faz parte do problema. As feministas radicais, os homossexuais, qualquer ideia bizarra que possuem sobre quem devemos ser, eles não toleram homens que se levantam e dizem: ‘Olha, isso é quem eu sou, é nisso que acredito, você pode gostar ou pode amontoar, mas aí está’”.

VEJA TAMBÉM:  BBB: Paula diz que gays não são normais e não deveriam beijar em público

Ele ainda afirmou que Barack Obama era “ineficiente” e “leve nos mocassins” – gíria geralmente usada para sugerir que um homem parece gay.

“Vocês todos se lembram de ter visto aquele momento em que ele [Obama] estava se exercitando e ele – oh, irmão – ele parecia Olive Oyl tentando levantar um peso de meio quilo? Estou falando sério. Era uma coisa bizarra de se assistir. Não sei por que ele permitiu que fosse filmado; isso não o colocou sob uma luz viril ”, acrescentou.

Esta não é a primeira vez que Jackson profere discursos de ódio contra a comunidade LGBT+. No final do ano passado, ele disse que “pessoas normais” acham a homossexualidade “nojenta” em um discurso sobre o candidato democrata Pete Buttigieg, que é abertamente gay.

Sem dúvida, o presidente republicano Donald Trump não possui o melhor histórico com a comunidade LGBT+, mas isso não tem se liga com a “masculinidade”. Desde que se tornou presidente, Donald Trump proibiu pessoas trans de servirem nas forças armadas. É estimado que a medida empurrou milhares de pessoas trans para fora das forças armadas.

VEJA TAMBÉM:  Karol Eller é processada por mentir sobre homofobia como causa de agressão

No ano passado, o Departamento de Justiça, trabalhando sob o governo Trump, entrou com uma ação na véspera de uma audiência na Suprema Corte sobre discriminação anti-LGBT+ no local de trabalho que alegava que “o estereótipo de sexo por si só não é uma violação do Título VII”, que, essencialmente, apontava para a legalidade de demitir trabalhadores trans motivado pela identidade de gênero.

O mesmo departamento apresentou também um breve argumento afirmando que é legal para os empregadores discriminar funcionários com base na orientação sexual.

O governo de Trump também, retirou o financiamento de políticas para combater o HIV/ AIDS, considerou maneiras de invisibilizar legalmente as pessoas trans e foi vinculado a vários  grupos de ódio anti-LGBT+.

Enquanto isso, os crimes de ódio, incluindo aqueles contra pessoas LGBT+, vivenciaram anos de alta nos Estados Unidos.

VEJA TAMBÉM:  “Pensar em outras pessoas durante o sexo é o que gera bebês gays”, diz líder do Uzbequistão

Há também uma epidemia de assassinatos de pessoas trans nos Estados Unidos – particularmente mulheres trans negras -, mas o governo Trump continua sem fazer nada diante desses fatos.

Mas, claro, Jackson deve estar certo, a comunidade LGBT+ obviamente não gosta de Trump porque ele é muito masculino.

Matéria traduzida do site PinkNews. Para ler a versão original em inglês, clique aqui.