O ex-candidato a vereador Pedro Melo, que ganhou projeção durante as eleições por conta de nudes que vazaram na web e tinha uma campanha muito focada em defender a diversidade, acabou fechando seu Instagram após, ontem a noite (19), divulgar apoio ao candidato a reeleição pela prefeitura de São Paulo, Bruno Covas (PSDB).

A publicação foi inundada por críticas de seus seguidores, muitos LGBTs tendo se declarado aliviados dele não ter conseguido a pretendida vaga no legislativo da cidade, já que fez uma campanha com muito foco em pauta LGBT e de diversidade.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Acontece que, muito além de Bruno Covas, o vice da chapa do PSDB à prefeitura, Ricardo Nunes, que vem junto dele e corre o risco de virar prefeito eventualmente, é um político aliado da bancada da Bíblia, fundamentalista religioso e extremamente LGBTfóbico, além de ter complicações na justiça por acusações de agressão a esposa e ligação com a Máfia das Creches.

“Complicado ser LGBTQIA+ e apoiar um candidato que convoca como vice da sua chapa alguém da bancada da Bíblia, que já foi denunciado por violência contra a mulher e atua contra pautas da população LGBT”, disse Lucas Ferreira, um dos muitos surpresos com o posicionamento de Pedro Melo.

VEJA TAMBÉM:  1º senador gay do Brasil derrota candidato considerado homofóbico Magno Malta
Pedro Melo bloqueia comentários em post onde divulga apoio, nega que Bruno Covas já tenha apoiado Bolsonaro e ignora vice LGBTfóbico (Foto: Reprodução / Instagram)
Pedro Melo bloqueia comentários em post onde divulga apoio, nega que Bruno Covas já tenha apoiado Bolsonaro e ignora vice LGBTfóbico (Foto: Reprodução / Instagram)

Claro que Pedro Melo tem todo direito de apoiar quem quiser e a democracia garante isso. Mas realmente parece no mínimo incoerente fechar os olhos a um vice tão problemático enquanto se vendeu em campanha como um candidato que pretendia defender os Direitos LGBT. É realmente triste constatar que a preocupação com o tema diversidade vá até a página 2 e sucumba a outros interesses.

E principalmente, a considerar o histórico do PSDB, que tanto no governo Serra quanto no governo Dória, abandonou a prefeitura de São Paulo deixando-a nas mãos de seus vices, é extremamente preocupante apostar em Bruno Covas, correndo o risco da cidade de São Paulo eventualmente por qualquer problema com Bruno ou pela eterna ambição do PSDB ao Estado, ficar nas mãos de um fundamentalista religioso, LGBTfóbico e acusado de integrar máfia das creches e agredir a esposa.

VEJA TAMBÉM:  Ex-pornô, candidato gay conservador e racista perde eleição na Florida

Como ficariam os programas como Transcidadania, por exemplo em uma gestão Ricardo Nunes? Um programa que auxilia a tão marginalizada população trans de rua e inclusive foi criado pela administração Haddad e quase limado pela administração Dória?

Instagram de Pedro Melo recebe críticas por apoio à Covas. (Foto: Reprodução / Instagram)
Instagram de Pedro Melo recebe críticas por apoio à Covas. (Foto: Reprodução / Instagram)

Além disso, no programa de governo de Bruno Covas divulgado inicialmente, sequer constava a população LGBT sendo mencionada (o que não surpreende, visto que sua coligação não pensou 2x ao aceitar apoio de um vice fundamentalista com interesse no eleitorado conservador). Uma segunda versão passou a mencionar, ainda que discretamente (e fora do meio rs?). Vale lembrar também aqui que o programa de governo de seu adversário político candidato à prefeitura, Guilherme Boulos (PSOL), contempla a população LGBT em 22 propostas (compare os programas de governo aqui).

Apesar de Pedro Melo ter bloqueado os comentários em seu Instagram e Facebook após a avalanche de comentários negativos, ainda é possível encontrar alguns comentários no Twitter.

VEJA TAMBÉM:  Bruno Covas responde sobre não incluir LGBTs em programa de governo; assista

“O cara quer ser vereador e não aguenta uma noite de discussão sobre um posicionamento seu sem fechar o Instagram pra comentários. imagina se tivesse sido eleito!”, disse Bruno Branquinho (@mr_littlewhite) no Twitter.

Já o perfil @iludidonorole sugeriu: “Não sustentou o papel de defensor das minorias por muito tempo. O interesse por um destaque no partido ou um cargo foi maior que a suposta ideologia”.

É realmente frustrante pra quem votou acreditando que a defesa da diversidade era uma pauta prioritária. E considerando o histórico do PSDB em abandonar a cidade, fechar os olhos a tudo que o risco Ricardo Nunes representa não se trata apenas de uma diferença de ideologia política, mas moral e que realmente ameaça a comunidade LGBT em São Paulo.

Caso Bruno Covas seja reeleito, o negócio é realmente rezar por sua saúde plena e pra que ele conclua seus 4 anos de mandato…

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).