O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar a comunidade LGBT. Depois de vetar na Ancine os recursos para produção de filmes LGBT. Agora o ataque é direcionado aos livros didáticos.

Em uma cerimônia realizada no Palácio do Planalto na sexta-feira(16), ele disse que o material didático com temática LGBT incentiva as crianças ao sexo. “Se acontecesse um evento como esse há 4 anos atrás, talvez tivesse dois homens se beijando aqui na frente. Estimulando, desacreditando e desconstruindo a heteronormatividade”, disse.

O presidente Jair Bolsonaro, durante solenidade de Celebração do Dia Internacional da Juventude, no Palácio do Planalto.

O evento foi uma comemoração do Dia Internacional da juventude. A ministra Damares Alaves estava presente, assim como o ministro da educação, Abraham Weintraub.

“Nada contra quem quer ser feliz com um parceiro igual a si, mas não podemos impor isso dai”, afirmou Bolsonaro. “Se falava em livros didáticos com essa temática (LGBT) para crianças a partir de 5 anos de idade. O que podemos esperar ao estimular jovens, precocemente, ao sexo? A intenção é estimular (o sexo) cada vez mais? Nós temos que ter, juntando os ministérios dos Direitos Humanos e Educação um casamento perfeito no combate a isso”, disse o presidente.

Os “livros didáticos com temática LGBT” que Bolsonaro se referiu foi um projeto do ex-ministro da educação do governo Dilma e candidato à presidência na última eleição pelo PT, Fernando Haddad. Na época, o petista lançou um programa para desconstruir o preconceito dentro das escolas ensinando as crianças sobre gênero e sexualidade com intuito de barrar a violência contra a comunidade.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Na época, Dilma vetou o projeto após reação negativa da bancada evangélica. Bolsonaro, que ainda era deputado, começou a fazer propaganda contra o material apelidando de “kit gay”, que fez o então parlamentar ganhar força em seu discurso conservador e completamente maluco. Na época Bolsonaro foi proíbo pela Justiça de espalhar mentiras sobre o “kit-gay”.