Durante o vídeo liberado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que mostra uma reunião ministerial ocorrida em 22 de abril, o presidente Jair Bolsonaro admite ter medo de ser condenado por homofobia ao deixar o governo e “um de esquerda” assumir a posição.

No vídeo,  Bolsonaro manda os ministros defenderem publicamente o governo, pois seus aliados podem ser presos caso um candidato da oposição chegue à Presidência.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Porque se for a esquerda, eu e uma porrada de vocês aqui tem que sair do Brasil, porque vão ser presos. E eu tenho certeza que vão me condenar por homofobia, oito anos por homofobia”, afirmou o presidente no vídeo.

Bolsonaro ainda utilizou como exemplo a fala racista do ministro da Educação, Abraham Weintraub, contra a população da China. Segundo o presidente, tudo não passa de “invenção”.

“Daí inventam um racismo, como inventaram agora pro Weintraub. Desculpa, desculpa o … o desabafo: p***! O Weintraub pode ter falado a maior merda do mundo, mas racista? Vamos ter que reagir pessoal, é outra briga”, declarou.

O vídeo liberado pelo ministro do STF Celso de Mello faz parte do inquérito aberto pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, para investigar se Bolsonaro cometeu crime quando decidiu trocar o comando da Polícia Federal, dois dias depois da reunião.