A Nova Zelândia agora tem o parlamento com maior diversidade de gênero e orientação sexual do mundo, com 10% dos parlamentares eleitos do país se identificando abertamente como LGBTs.

A notícia vem logo após a vitória esmagadora da primeira-ministra Jacinda Arden no sábado (18 de outubro). Em apoio a ela, são 12 políticos eleitos que são abertamente lésbicas, gays, bissexuais e/ou transgêneros, ocupando um décimo dos 120 assentos do parlamento do país.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Jacinda Arden, eleita primeira-ministra da Nova Zelândia com esmagadora maioria dos votos. (Foto: Reprodução / Instagram)
Jacinda Arden, nova primeira-ministra da Nova Zelândia. (Foto: Reprodução / Instagram)

Isso significa que a Nova Zelândia terá a maior proporção de representantes LGBT + do mundo. Em números gerais entretanto, o Reino Unido tem o maior número de representantes LGBTs, com 45 em 650 cadeiras, representando 7% de representação.

“Os números são importantes”, disse a parlamentar lésbica, Louisa Wall, à AAP antes da eleição. “Se acabarmos sendo o parlamento mais representativo LGBTQI do mundo, isso seria simplesmente ótimo. ”

VEJA TAMBÉM:  Mesmo difamado nas redes sociais, Jean Wyllys consegue se reeleger deputado federal

Ao lado de Wall, outros parlamentares LGBTs do Partido Trabalhista da Nova Zelândia são Grant Robertson, Meka Whaitiri, Tamati Coffey, Kiri Allan, Ayesha Verrall, Glen Bennett e Shanan Halbert.

Embora a primeira-ministra Jacinda Ardern tenha conquistado cadeiras suficientes para formar um governo com ampla maioria no Congresso, ela deve fazer uma coalizão com os Verdes, que também estão comemorando a eleição de seus parlamentares abertamente LGBTs: Jan Logie, Chloe Swarbrick, Elizabeth Kerekere e Ricardo Menendez March.

Novo parlamento da Nova Zelândia tem 12 LGBTs eleitos (Foto: Montagem / Põe Na Roda)
Novo parlamento da Nova Zelândia tem 12 LGBTs eleitos (Foto: Montagem / Põe Na Roda)

A representação LGBT + no novo parlamento será proporcional à da população em geral pelos números do Relatório Kinsey, mas significativamente maior do que a pesquisa social geral da Nova Zelândia em 2018, que foi de 3,5% de habitantes LGBTs no país.

Paul Spoonley, professor da Faculdade de Humanidades e Ciências Sociais da Universidade Massey em Palmerston North, disse ao The Independent que o novo parlamento representa uma importante mudança geracional.

VEJA TAMBÉM:  80 vereadores LGBTs se elegem pelo Brasil em 2020; saiba quem são
Um dos LGBTs eleitos na Nova Zelândia: Grant Robertson e seu marido. (Foto:KEVIN STENT/FAIRFAX NZ)
Um dos LGBTs eleitos na Nova Zelândia: Grant Robertson e seu marido. (Foto:KEVIN STENT/FAIRFAX NZ)

“Vários parlamentares de longa data – mais velhos, brancos, homens – partiram, mas foram substituídos por um novo grupo muito mais diverso, não apenas quanto a orientação sexual e identidade de gênero, mas também etnias”.

Vale lembrar também que metade dos eleitos pelo Partido Trabalhista no país são mulheres. “O Partido Trabalhista e os Verdes representam a face contemporânea da Nova Zelândia no parlamento”, concluiu Paul Spoonley.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).