Joe Biden marcou o “Dia Nacional da Saída Do Armário”, comemorado todo 11 de Outubro, com uma mensagem emocionante de solidariedade destinada a comunidade LGBT.

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos prometeu em seu Twitter que se eleito, seu governo na Casa Branca promoverá a igualdade e lutará contra a discriminação.

“Quero que todos os membros da comunidade LGBT saibam que você pode ser amado e aceito do jeito que é – quer você tenha se assumido ou não”, Joe Biden tweetou.

“Vou lutar todos os dias na Casa Branca para criar um país onde você possa viver abertamente, orgulhoso e livre – sem medo”, completou o candidato à presidência.

Com a aproximação da eleição de 3 de novembro, Biden dobrou nas últimas semanas seu apoio aos direitos LGBT. Semana passada ele prometeu revogar o veto do presidente Donald Trump à militares transgêneros nas forças armadas do país.

Em um evento da Human Rights Campaign Foundation em setembro, ele também  prometeu “lutar com convicção” em nome da comunidade LGBT.

“Juntos, vamos aprovar a Lei da Igualdade, proteger os jovens LGBTQ, expandir o acesso aos cuidados de saúde, apoiar os trabalhadores LGBTQ, ganhar todos os direitos para os transgêneros americanos, renovar o compromisso de acabar com a epidemia de HIV / AIDS até 2025, promover os direitos LGBT em todo o mundo, não apenas em casa ”, disse Biden.

Joe Biden, o candidato democrata à presidência dos EUA. (Foto: Reprodução / Infomoney)
Joe Biden, o candidato democrata à presidência dos EUA. (Foto: Reprodução / Infomoney)

O tom de Joe Biden vem em notável contraste com o de seu adversário Donald Trump – que, apesar de afirmar ser o “presidente mais pró-LGBT da história”, teve algumas das mais devastadoras ações contra direitos LGBT em seu governo.

De acordo com o Trump Accountability Project da GLAAD, o governo de Trump apresentou mais de 160 ataques contra a comunidade LGBT + nos últimos quatro anos, incluindo a proibição de pessoas trans servindo nas forças armadas, a erosão das proteções de saúde trans e seus planos para limitar o acesso para trans pessoas em abrigos para moradores de rua.

Uma pesquisa recente da organização de monitoramento de mídia descobriu que de 800 LGBT americanos, 76% votarão em Joe Biden ao invés de Trump, com 81% dizendo que se sentem mais motivados a votar nesta eleição do que nas anteriores (já que o voto nos Estados Unidos não é obrigatório).

Além do Dia Nacional da Saída do Armário, que celebra tanto aqueles que se assumiram como queer quanto aqueles que ainda não sentem que podem, o domingo também marcou o Dia Internacional das Meninas nos Estados Unidos.

O candidato democrata também lembrou disso no Twitter: “Hoje, vamos todos celebrar as bilhões de meninas e mulheres jovens em todo o mundo – e nos comprometer novamente a lutar por sua educação, trabalho, saúde, direitos e oportunidades.”

Trump não comemorou nenhuma das ocasiões. Ao invés disso, pra variar, seu uso do Twitter se concentrou em repetir fake news de que teria um índice de aprovação de 96% nos Estados Unidos e dizer que se sente bem por estar “imune” ao COVID-19, já que pegou a doença.

Vale lembrar que seu post contraria as regras do Twitter sobre “espalhar informações enganosas e potencialmente prejudiciais” relacionadas para o vírus, uma vez que a imunidade não é algo confirmado e nem se saiba por quanto tempo duraria uma suposta imunidade ao vírus por quem já o pegou.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).