O vendedor Thiego Amorim, que questionou a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alvez, se ela era um menino pois vestia azul quando chegou à loja, chegou a segurá-lo pelo pescoço com o afronte do rapaz.

A informação é do advogado da vítima, Suenilson Sá, que afirma que as imagens das câmeras de segurança da loja, que filmaram todo acontecido, podem comprovar a agressão de Damares.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Ele disse que a loja estava toda em promoção, ela chegou a experimentar uma roupa e foi no final que ele fez a pergunta sobre a cor. Ele começou a gravar porque se sentiu ameaçado. Não teria tido a atitude de filmar se ela não tivesse feito nada. O gesto de segurar em seu pescoço configura ameaça”, disse o advogado.

VEJA TAMBÉM:  Bolsonaro pede desculpas a Maria do Rosário por fala sobre estupro

O gesto violento de Damares teria sido feito antes do rapaz gravar o vídeo que viralizou na Internet, que mostra apenas ela deixando a loja. Felizmente as câmeras de segurança captaram toda situação e as imagens agora devem ser usadas na investigação do caso.

Ainda segundo o relato do vendedor, a assessora que acompanhava a ministra no shopping teria dado um tapa na sua mão, enquanto Thiego pegava o celular para começar a gravar. O advogado disse que o vídeo que viralizou não mostra tudo o que aconteceu dentro da loja.

Também segundo informações do Jornal O Globo, transtornada, Damares também teria dito que “vai acabar com a “ideologia de gênero nas escolas brasileiras” (fake news de algo que nem existe nas escolas brasileiras, diga-se de passagem).

VEJA TAMBÉM:  MP acusa União de censura, racismo e homofobia por veto a propaganda do Banco do Brasil
Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).