Um padre gay russo (agora ex padre), que fugiu para a Holanda após se assumir, afirmou que o clero homofóbico dormia com seus superiores em troca de promoções. Alexander Usatov era um padre ortodoxo russo na diocese de Rostov e Novocherkassk até que deixou seu cargo há cerca de um ano.

Na época, ele escreveu um artigo de opinião para Snob, explicando que havia perdido sua fé, e que a “crença em um ser celestial antropomórfico, que está com raiva e se vinga das pessoas” havia se tornado “estranha e desagradável” para ele.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Mas agora ele revelou que foi forçado a deixar a igreja, e até fugiu do país, porque é gay e estava sendo assediado e intimidado por colegas e superiores. Esta semana ele escreveu outro artigo publicado pela Snob, no qual disse que fugiu para a Holanda com a ajuda de ativistas LGBT+ na UE.

VEJA TAMBÉM:  Destemido, artista gay manda bandeira LGBT voadora em direção a residência do governo da Rússia

O padre gay escreveu: “Sou gay e nunca me senti seguro na igreja ortodoxa russa e, nos últimos anos, tornei-me objeto de perseguição da arquidiocese e sua comitiva, que sabiam de minha orientação. Os gays na igreja ortodoxa russa estão em uma situação dupla. Por um lado, todos sabem da existência do lobby de padres gays e da oportunidade de fazer uma carreira fácil depois de passar pela cama do bispo”.

Usatov disse que outro padre gay, que ele afirma estar dormindo com outros clérigos, estava ciente de sua sexualidade e que escreveu uma “denúncia” sobre ele: “Ele não gostou do fato de eu estar conversando com os caras que ele estava de olho e, por ciúme, começou a espalhar falsos boatos sobre mim e até escrever denúncias… Acho que ele ficou intimidado com a possibilidade de sua própria exposição”.

VEJA TAMBÉM:  Jornalista não assistirá Copa em protesto ao tratamento da Rússia com LGBTs

Usatov exonerado da igreja e, por fim, ficou com tanto medo das repercussões que fugiu do país. Um porta-voz da arquidiocese negou que o líder soubesse que Usatov era um padre gay, insistindo que, se soubesse, ele teria perdido a batina “há muito tempo”.

O porta-voz acrescentou: “Um padre gay teria sido solicitado muito cedo que largasse a batina caso não conseguisse mantê-la em seu corpo”. Apesar de tudo o que passou, o ex-padre está se estabelecendo na vida na Holanda e disse que está gostando de poder ser ele mesmo, “do qual fui privado por todos os 30 anos de estar na igreja”.

Usatov acrescentou: “Pessoas que tentaram me prejudicar, pelo contrário, me ajudaram a me libertar e a encontrar uma vida nova e mais gratificante. “Não guardo rancor contra eles, agora meus pensamentos estão ocupados com tulipas, moinhos e ideias científicas.”