Um novo estudo publicado no jornal Cancer Society da American Cancer Society mostra que ter um grande número de parceiros de sexo oral leva a um risco maior de contrair câncer de boca e garganta relacionado ao HPV.

O estudo, feito por uma equipe de pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, entrevistou mais de 500 pessoas sobre sua atividade sexual. Um terço dos participantes foi diagnosticado com papilomavírus humano (HPV) e cerca de dois terços não.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

De acordo com o novo estudo, aqueles que tiveram 10 ou mais parceiros de sexo oral anteriores têm uma probabilidade 4,3 vezes maior de desenvolver câncer de garganta ou boca relacionado ao HPV.

Além disso, fazer sexo oral em uma idade mais jovem, ter um grande número de parceiros em um curto período de tempo e praticar sexo extraconjugal também estão relacionados a taxas mais altas de cânceres relacionados ao HPV.

VEJA TAMBÉM:  Jane Di Castro, estrela de "Divinas Divas", morre vítima de câncer

Eles também descobriram que fazer sexo genital com genital antes do sexo oral diminui o risco para os participantes. Eles dizem que se sua exposição inicial ao HPV é através de seus órgãos genitais, isso cria uma “resposta imunológica robusta” que combate o vírus melhor do que se introduzida por via oral.

A Dra. Virginia Drake, que conduziu o estudo, diz que “nosso estudo se baseia em pesquisas anteriores para demonstrar que não é apenas o número de parceiros sexuais orais, mas também outros fatores não avaliados anteriormente que contribuem para o risco de exposição ao HPV por via oral e subsequente câncer orofaríngeo relacionado ao HPV. ”

No geral, o novo estudo mostra com mais precisão que aqueles que se envolvem em um comportamento sexual de maior risco têm maior chance de contrair HPV e, portanto, maior chance de desenvolver cânceres relacionados ao HPV.