O Prêmio Nobel de Medicina 2020 vai para Harvey J. AlterMichael Houghton e Charles M. Rice, médicos cientistas que descobriram o vírus da hepatite C. Segundo nota do G1, o anúncio foi feito pela Academia Sueca nesta segunda-feira (5).

O vírus da hepatice C é o causador de uma hepatotoxicidade que, após muitos anos, pode evoluir para câncer hepático e levar à morte. A doença, que é transmitida pelo sangue ou outros fluidos corporais, é considerada um problema mundial de saúde.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O Nobel de Medicina 2020 deu aos vencedores o valor de 10 milhões de coroas suecas para da (cerca de R$ 6,3 milhões). Os estudos do virologista americano Harvey J. Alter, 85 anos,são relacionados à hepatite associada a transfusões de sangue.

Michael Houghton, virologista britânico, usou uma estratégia nunca testada para isolar o genoma do novo vírus, que passou a ser conhecido como o vírus da hepatite C. O terceiro premiado, Charles M. Rice, virologista americano de 68 anos, provou que o vírus da hepatite C podia, sozinho, causar a doença.

Não há vacina para a hepatite C. Cerca de 30% das pessoas infectadas eliminam o vírus dentro de 6 meses após a infecção, segundo a OMS. As outras desenvolvem a forma crônica da doença. O tratamento oferece chance de cura acima de 95%.

Nobel de Medicina 2020 e sua importância na luta contra a hepatite C

Somente em 1940 a medicina entendeu que havia dois tipos de hepatite infecciosa, a hepatite A, transmitida por água ou comida contaminadas e tinha pouco impacto a longo prazo para o paciente e a transmitida pelo sangue ou outros fluidos corporais e era bem mais séria que a primeira, podendo levar a um problema crônico de saúde.

VEJA TAMBÉM:  Sífilis atinge o nível mais alto em 70 anos: homens gays e bissexuais são os mais atingidos

Em 1960, um cientista chamado Baruch Blumberg determinou que uma forma da hepatite transmitida pelo sangue era causada pelo vírus da hepatite B. Blumberg venceu o Nobel de Medicina em 1976 pela descoberta. Agora, após 30 anos de descoberta e até anos após os antirretrovirais que curam a hepatite C, os cientistas receberam o devido reconhecimento.