Um novo estudo nos EUA descobriu que o maior fator de risco que os homens gays enfrentam quando se trata de viver com HIV é o uso regular de metanfetamina. O estudo foi publicado este mês no JAIDS (Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes).

Ele rastreou quase 4.786 homens gays e bissexuais nos EUA ao longo de 12 meses. Os homens, recrutados por meio de aplicativos de namoro, tinham entre 16 e 49 anos e não estavam em PrEP. Todos foram testados para HIV no início do estudo e depois mensalmente.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O estudo descobriu que 2,5% (115) dos participantes do estudo adquiriram o HIV durante os 12 meses. 14% dos entrevistados disseram que usaram a droga. Três quartos desses homens relataram usar a droga de forma persistente. Os usuários regulares representaram um terço dos que adquiriram o HIV durante o período do estudo (41 de 115).

VEJA TAMBÉM:  Governo Bolsonaro desmonta programas de HIV e Hepatite C

Em outras palavras, usuários persistentes de metanfetamina tinham quatro vezes mais chances de adquirir HIV do que aqueles que não usavam. ‘A substância exacerba o risco de HIV através do aumento da libido sexual, ao mesmo tempo que reduz as inibições’, dizem os autores.

“Nossas descobertas destacam a necessidade de abordar o uso da substância e seus riscos associados entre as minorias sexuais e de gênero, o que também pode servir para ajudar a acabar com a epidemia de HIV”.

A metanfetamina em forma de cristal, que faz parte da família das anfetaminas, faz com que os usuários se sintam muito acordados, alertas e animados. Normalmente, você se sentirá muito excitado sexualmente. Outros nomes para a droga são ‘ice’ (gelo) e ‘Tina’.

Como seus efeitos podem durar por muito tempo, você pode esquecer de fazer o tratamento para HIV ou PrEP (profilaxia pré-exposição), se você tomar esses medicamentos. Você também pode passar longos períodos sem comer ou dormir.

VEJA TAMBÉM:  Emocionante! Pabllo Vittar canta Cazuza em homenagem a rapaz que vive com HIV

“Nossas descobertas sugerem uma necessidade urgente de incluir a avaliação do uso de substância entre pacientes / clientes, dada a ligação forte e alarmante observada com a incidência de HIV”, afirmam os autores.

Eles também dizem que se as pessoas relatarem o uso, elas devem ser avisadas sobre programas de redução de danos. “A relação entre o uso de metanfetamina e o risco de HIV está bem documentada”, disse David Stuart, gerente de serviços de apoio de Chemsex em uma clínica de saúde sexual de Londres.

“Nossa experiência mostra que o uso consistente do preservativo é desafiador e, na verdade, raro para pessoas sob a influência da substância. Stuart disse ao GSN que os homens que usam metanfetamina sob medicação antiviral e os que são HIV negativos sob PrEP seguem melhor os regimes prescritos quando recebem o suporte adequado. Isso pode prevenir a transmissão do HIV.

VEJA TAMBÉM:  Por que pacientes HIV positivos necessitam de um médico proctologista?

“Esses novos dados são muito úteis para enfatizar que homens gays, bissexuais que usam metanfetamina merecem conhecimento e acesso fácil à PrEP e a outros medicamentos e estratégias de prevenção do HIV, bem como serviços de apoio ao uso de drogas culturalmente adaptados”,