Matthew Mitcham é um homem casado e feliz que está livre das drogas e do álcool há mais de cinco anos – mas a vida nem sempre foi tão animada para o primeiro gay medalha de ouro olímpica do mundo.

O mergulhador, agora com 32 anos, já lutou para aceitar sua sexualidade, tanto que tentou se “treinar” para ser heterossexual: “Eu estava com tanto medo de ser gay que amarrava um elástico em volta do meu pulso e toda vez que tinha um pensamento gay eu o rompia para tentar associar dor e sofrimento com o pensamento gay, para tentar me treinar para não ser gay ”, disse ele à BBC Sport.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Eu me senti preso por não ser capaz de ser autenticamente eu. Eu não queria admitir que enganei as pessoas e menti por tanto tempo, o que me deixou com uma sensação de alienação”, afirma Matthew Mitcham.

VEJA TAMBÉM:  Ginasta olímpico Danell Leyva sai do armário: "sempre soube"

“O mergulho se tornou essa escuridão que permeou o resto da minha vida”, acrescentou. “Eu realmente odiei, mas sabia que era minha única chance de ser especial, então continuei, efetivamente no piloto automático.”

Em sua juventude, o atleta australiano também lutou contra o “abandono” de sua mãe, que sofria de seus próprios problemas de saúde mental. Ele voltou-se para as drogas e o álcool quando adolescente para procurar “alívio, escapismo e uma forma de desligar meu cérebro por algumas horas, mas isso continuou aumentando”.

Ele parou de mergulhar aos 18 anos, mas mais tarde voltou ao esporte aos 20, após ter a chance de competir nas Olimpíadas de Pequim. Foi então que ele “cortou tudo o que era prejudicial à saúde – obviamente as drogas e o álcool porque eu não queria arriscar a chance de chegar às minhas primeiras Olimpíadas”.

VEJA TAMBÉM:  Rapaz é banido do Grindr por criar conta pra ajudar pessoas com problemas de abuso de drogas

Matthew Mitcham bateu recordes olímpicos

Matthew estabeleceu um recorde olímpico por seu mergulho em 2008 e levou para casa o ouro; ele também deu uma entrevista antes da competição, fazendo história. A vitória para ele durou pouco, no entanto, quando viu outro competidor quebrar seu recorde poucos dias depois.

A experiência deixou o atleta em “uma espiral descendente de insegurança paralisante”, e ele lutou por vários anos contra o vício novamente. Ele acabou ficando sóbrio após sua aposentadoria em 2016. Após longos anos de luta, no entanto, Mitcham se orgulha de seu lugar fazendo história como atleta gay.

“Houve outros medalhistas de ouro olímpicos desde então, e meu recorde olímpico será quebrado um dia, mas ninguém jamais será capaz de tirar o fato de que fui o primeiro homem abertamente gay campeão olímpico”, disse Matthew Mitcham. “Foi a sensação mais incrível e minha conquista de maior orgulho.”