Um veterano da Marinha está processando o governo dos Estados Unidos depois que médicos supostamente se esqueceram de dizer que seu teste de HIV era positivo na década de 1990. O marinheiro da Carolina do Sul diz que não sabia que estava vivendo com HIV por mais de duas décadas depois que os funcionários da saúde do governo não o informaram sobre os resultados do teste.

Um processo federal explica como ele foi testado em novembro de 1995 no centro médico do Departamento de Assuntos de Veteranos (VA) em Columbia, Carolina do Sul, como parte de um trabalho de laboratório de rotina.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O veterano, citado apenas como “desconhecido” no processo, estava sob os cuidados do departamento depois de se envolver em um naufrágio em 1976 que o deixou com transtorno de estresse pós-traumático (PTSD).

VEJA TAMBÉM:  Ministro da saúde de Bolsonaro diz que não acredita em campanhas de prevenção contra HIV

No entanto, “em clara violação do padrão de atendimento, o veterano não foi informado do teste de HIV positivo até décadas depois”, afirma o processo. Na verdade, não foi até 2018 quando disse que foi informado de seu status.

Em 2014, uma enfermeira na instalação de Columbia havia anotado os resultados do teste de 1995 em um memorando. Ele consultou outro médico do VA em 2015, que perguntou se ele sabia quem era seu médico infectologista. Quando ele respondeu que não tinha, o médico teria perguntado ao veterano se ele sabia se estava vivendo com HIV.

Finalmente, em setembro de 2018, o veterano marinheiro visitou um pronto-socorro não afiliado ao departamento. Então ele foi (re) diagnosticado com HIV e AIDS, e imediatamente iniciou o tratamento.

De acordo com o processo, o veterano já havia desenvolvido uma série de doenças relacionadas, incluindo uma infecção em seu tecido cerebral. “[Ele] sofreu desnecessariamente por décadas com condições coexistentes comuns em pessoas infectadas pelo HIV, incluindo linfadenopatia, neurotoxoplasmose, dores musculares e nas articulações”, diz o processo.

VEJA TAMBÉM:  Cientistas brasileiros criam tratamento que elimina HIV do corpo

“Se os réus tivessem agido dentro do padrão de atendimento, ele jamais teria sofrido as perdas que sofreu e continuará a sofrer no futuro e, muito provavelmente, ele não teria desenvolvido a AIDS.”

O advogado do marinheiro veterano, Chad McGowan, disse que está respondendo à terapia anti-retroviral, mas “teve essencialmente 25 anos de desgaste por não ter tratamento”. “Ele se sente extremamente culpado pelas namoradas que teve nos últimos 25 anos, porque ele não sabia.”