A ex-prefeita de São Paulo e atual senadora Marta Suplicy, que decidiu não se candidatar a reeleição e se aposentar da política, revelou em entrevista ao portal UOL, que foi uma das pessoas que ajudou o ex-presidente do Brasil, Lula, a deixar de ter preconceito com os gays.


Assista também:


Ainda nos anos 80, quando Marta era sexóloga e apresentadora do TV Mulher, já era próxima de Lula pela amizade de seu marido Eduardo Suplicy com o então sindicalista.

“Ele era muito machista na época do sindicalismo. Pra ele, homossexual era doença. E nisso, quem o influenciou a mudar, fui eu.”, contou Marta.

Sempre próxima do movimento LGBT mesmo antes da existência de siglas e nomenclaturas, Marta usou sua sempre presente empatia e proximidade com a causa para ensinar o então metalúrgico e sindicalista que aquilo era preconceito, e que aquelas pessoas não escolhiam por quem sentiam atração.

“Lula é uma esponja. Ele absorve, aprende algo facilmente e logo já está dando aula. Eu me aproximei muito dele, também na época em que percebi que a reeleição de Dilma seria um desastre e dizia que ele tinha que ser o candidato. Na hora H ele se acovardou e não a peitou.”, contou Marta.

Sexóloga por formação e atuação, Marta Suplicy foi a primeira política brasileira a apresentar um projeto de união civil entre homossexuais, isso há mais de 30 anos atrás. Ela também foi pioneira em levantar bandeiras como a da descriminalização do aborto em um tempo onde existia ainda (muito!) mais tabú e preconceito acerca destes assuntos do que hoje.

Sobre os planos para o futuro, não mais como política, Marta não descarta a hipótese de atuar no meio de comunicação: “Pode ser TV ou rádio, por exemplo. O que está pulsando hoje é a sociedade civil. E eu quero estar lá”, concluiu.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).