O jogador aposentado de futebol, Thomas Beattie, saiu do armário como gay no mês passado e se tornou o segundo futebolista inglês abertamente LGBT+.

Recentemente, ele concedeu uma entrevista ao The Advocate, em que fala um pouco mais da relação do futebol com a comunidade LGBT+. Thomas afirmou esperar que atletas LGBTs consigam encontrar uma maneira de se abrir sobre os seus sentimentos. “Ficar em silêncio e sozinho é um caminho difícil. Ter a capacidade de falar com uma pessoa será um grande benefício”, relatou.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O futebolista ainda destacou que é “uma pena” se jovens jogadores desistirem do sonho de seguir no esporte por causa da homofobia. “É uma pena se você nunca realizou o potencial de um sonho. Você nunca sabe o que pode estar perdendo se decidir seguir o caminho oposto. Seria realmente uma pena olhar para trás e dizer ‘E se?’. Poderíamos estar perdendo o próximo Cristiano Ronaldo”, observou.

VEJA TAMBÉM:  Alckmin veta lei que proibiria homofobia em estádios

“Eu definitivamente convenceria qualquer pessoa nessa posição a continuar jogando e aprendendo sobre si mesma por meio do esporte. Aprenda sobre seu caráter, sua moral, seus valores e suas crenças.”

Thomas disse que a maioria das pessoas no esporte é “bastante receptiva” e que ser “diferente” é normal. “Seja apaixonado pelo que coloque sua alma em chamas. Se isso é esporte, então faça isso”, orientou.

Em outro momento da entrevista, o ex-atleta disse que sempre se sentiu diferente dos outros garotos, mas que ser gay nunca havia sido uma opção. “Eu realmente não conseguia entender, principalmente por não ter conhecido pessoas da comunidade LGBT+ naquele momento. Foi apenas com mais de 22 anos que comecei a entender: ‘Talvez eu seja gay'”, refletiu.

VEJA TAMBÉM:  Katie Sowers é a 1ª técnica mulher e lésbica a chegar ao Super Bowl; conheça sua história inspiradora