Produtor pornô Bryan.

Bryan Deneumostier, um produtor de pornô gay, foi preso esta semana sob acusação de “enganar homens heterossexuais” e fazê-los participar de vídeos, segundo noticiou o GayStarNews. Tudo aconteceu por conta do site adulto do rapaz, o StraightBoyz, que era uma versão amadora do formato criado e consagrado pelo Bait Bus, a primeira produtora de filmes adultos gays a produzir este formato bastante específico de pornô gay. (vou fingir que vocês não conhecem e explicar agora, tá?)

No modelo original do Bait Bus, o roteiro é sempre o mesmo: uma van pára na rua, sai uma gostosa que acha um hétero na rua e chama ele pra ficar com ela dentro do veículo. Uma vez que eles começam a se pegar lá dentro (enquanto tudo é filmado com câmeras escondidas), ela propõe vendá-lo. É quando surge um homem que começa a fazer sexo oral no hétero sem que este saiba.

Desavisado e curtindo o momento, o hétero então é desvendado e descobre se tratar de um homem ali entre suas pernas. Antes que ele se aborreça, é oferecido um bom dinheiro a ele para deixar o boy continuar até “os finalmentes” e permitir que tudo seja gravado.

E agora vem uma revelação que vai doer na alma de cada um vocês: os vídeos do Bait Bus são devidamente roteirizados. Todos os caras que aparecem lá não são estranhos da rua, mas sim atores contratados, bissexuais ou gays. Tudo combinado! Eu sei, você está muito desiludida, né poc?

Só que o site StraightBoyz não seguia essas diretrizes de segurança (e bom senso!) e começou a fazer isso de verdade com héteros aleatórios que passavam pela rua.

Print de um vídeo do StraightBoyz.

E de fato, se comparar, os vídeos do Bait Bus pareciam muito mais roteirizados e produzidos que os amadores do StraightBoyz.

De acordo com as investigações, a polícia acredita que muitas das vítimas eram trabalhadores da região de Homestad Reserve Air Base, pelos arredores de onde eles costumavam estar com a van.

Ao descobrir se tratar de um homem, alguns héteros até deixavam rolar (já tá ali mesmo e tava gostando, né?) pedindo apenas garantias à garota e o boy, de não haver câmeras no local gravando. Eles o asseguravam, enquanto na realidade, tudo desde o início estava sendo devidamente registrado e seria publicado no site ainda que com o filtro de mosaico no rosto do rapaz.

Agora, mediante denúncias de vários héteros involuntariamente envolvidos nos vídeos, Bryan está detido aguardando o julgamento do caso.

O produtor já havia realizado mais de 600 vídeos deste tipo. E o StraightBoyz, se você ainda não foi buscar em outra aba, já foi tirado do ar.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).