Arielle Kuperberg, uma professora de sociologia na Universidade da Carolina do Norte e pesquisadora, e Alícia M. Walker, que trabalha como assistente do curso de sociologia da Universidade do Estado de Missouri, se juntaram para realizar uma pesquisa com 24 mil estudantes universitários e descobriram que, desta geração, apenas um em cada oito se define como 100% heterossexual.

Os números chegam a ser o dobro se isolarmos apenas as mulheres pesquisadas, entre as quais, uma em cada quatro afirmou já ter tido alguma experiência lésbica na vida, ainda que a maioria se identifique como heterossexual mesmo assim.


Veja também:


Uma hipótese para o resultado mais provável entre mulheres, além do machismo “permitir” a homossexualidade feminina como fetiche e não admitir a masculina, pode ser também a conclusão de um outro estudo realizado em Março deste ano, que revelou que muitas mulheres procuram sexo com outras mulheres afim de atingir o orgasmo mais facilmente, algo relatado por muitas.

Voltando ao estudo das duas, também publicado pelo periódico Archives of Sexual Behaviour, 60% dos estudantes heterossexuais pesquisados confessaram anonimamente já terem experimentado, por curiosidade que seja, algum tipo de sexo com alguém do mesmo gênero. Entretanto, a maioria afirmou não ter gostado tanto assim, preferindo colocar a culpa na bebida ou algo do tipo.

Já um em cada quatro deles, ou 28% mais exatamente, afirmou ter fortes crenças religiosas que impediriam a possibilidade de uma identidade não heterossexual.

Vale lembrar que, recentemente, um outro estudo revelou que ninguém seria 100% heterossexual, com a sexualidade humana sendo muito mais variada do que a gente gosta de assumir ao dividir e limitar tanto as pessoas em rotulos.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).