Considerada uma das principais ativistas pelos direitos da população LGBTI+ do Rio de Janeiro, a travesti Loren Alexander, morreu na manhã desta quarta-feira (06) de 2021.

Loren Alexander fundadora de uma das paradas mais importantes LGBT Rio de Janeiro
Loren Alexander fundadora de uma das paradas mais importantes LGBT Rio de Janeiro

Em pleno mês da Visibilidade Trans, perdemos a fundadora da parada mais antiga do movimento no Rio, a de Madureira. Loren estava internada no hospital Barra D’Or há quatro meses. Ela lutava contra complicações da Covid-19.

David Brazil lamenta morte de amiga

Loren e David na parada de Madureira, Rio de Janeiro
Loren e David na parada de Madureira, Rio de Janeiro

“Ela foi uma grande amiga e uma pessoa mais que especial da minha vida”, lamenta o amigo de longa data David Brazil. “A gente perde uma pessoa maravilhosa, principalmente o publico gay, que ela sempre lutou, brigou. Não só pelo publico gay, mas as comunidades das redondezas, sempre fazendo ações, sempre se empenhando e sempre correndo atrás”, completa ele.

David Brazil, que é padrinho da Parada de Madureira, lembra o início da amizade com Loren Alexandre. “Nem tinha internet e ela me procurou para ser padrinho da Parada. Isso tem mais de 15 anos. Eu trabalhava no ‘Planeta Xuxa’ (extinto programa de TV na Globo) e como promoter do (restaurante) Porcão. Ela disse que eu era muito amado no subúrbio. E que seria uma honra. Eu aceitei. Na época era uma coisa bem pequena e nem tinha trio elétrico. A gente saía em cima de uma Kombi aberta”, recorda-se David.

Vice-presidente da Comissão Especial da Diversidade Sexual e de Gênero da OAB-RJ, Rio de Janeiro falou sobre Loren

O vice-presidente da Comissão Especial da Diversidade Sexual e de Gênero da OAB-RJ, Rio de Janeiro, Nélio Georgini lamentou a morte da presidente do MGTT (Movimento de Gays, Travestis e Transexuais).

“É uma perda irreparável para todos que buscam uma sociedade igualitária e sem preconceitos”, diz Georgini, coordenador de Diversidade Sexual durante a gestão Marcelo Crivella.

Erick Witzel, assessor da Coordenadoria Executiva da Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio, frisou que Loren deixou um legado que para sempre será lembrado. “Perdemos um ícone de luta e resistência no Rio de Janeiro. Com muito pesar recebi a notícia do falecimento da querida Loren, Madureira não será a mesma. Seu legado fica marcado para sempre na história das conquistas LGBT+”.

Segundo o jornal EXTRA, o funeral será no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, somente para a família. O horário ainda não foi definido.

Carioca, antenado e intenso. Redator do Põe na Roda e Produtor Digital da Rádio Rio de Janeiro. Amante das artes, desde as cênicas até a fotografia. Taurino com 21 anos, apreciador raiz da cultura pop e um jornalista em construção.