Scott Purdy, um britânico de 23 anos, virou notícia no Reino Unido após acusar um remédio analgésico chamado Pregabalin, do laboratório Pfizer, de tê-lo feito “virar” gay.

Entretanto, ele garante que não está triste com o acontecido, mesmo tendo terminado com a ex-namorada: “Não estou infeliz porque agora sou assim”, contou ao tablóide Mirror.

Scott começou a tomar o medicamento para ajudar a combater as dores de um acidente de kart sofrido alguns meses atrás. Segundo relatou, após ingerir os medicamentos durante algumas semanas, sua libido diminuiu e ele simplesmente deixou de sentir atração por mulheres, passando a se interessar por homens, nas suas palavras, inexplicavelmente.

“Eu namorava uma garota há 6 meses e nunca me interessei por homens. Confesso que na infância tive curiosidade, mas passou. Algumas semanas após tomar esse medicamento notei que não achava mais mulheres atraentes e contei a minha então namorada: ‘Não sei o que está havendo, mas estou me sentindo atraído por homens da mesma maneira que você! Não podemos ficar mais juntos!”.

[xyz-ihs snippet=”VEJA-TB”]
[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=nkEPIyvsM2A[/embedyt]


E a reação da ex? Até foi até que tranquila: “Ela foi compreensiva na medida do possível. Decidi expor na mídia sobre o que houve comigo para que as pessoas tenham conhecimento do que um medicamento pode fazer”, disse ele jurando que realmente o medicamento que modificou seu desejo… então, tá.

Embora surpreso com a nova fase, ele afirma estar se sentindo muito bem: “Me sinto livre! Tem sido ótimo! Pregabalin também é usado pra diminuir paranóia e ansiedade, então tenho estado tranquilo em relação até aos comentários negativos de quem me critica por sair contando isso.”

Procurado, o laboratório responsável pela produção do medicamento, Pfizer, afirmou por nota: “O medicamento em questão foi testado, aprovado por órgãos de controle internacionais e se demonstra muito efetivo no tratamento de neurose, dor, ansiedade generalizada e epilepsia. Até hoje, 34 milhões de unidades foram vendidas sem qualquer relato de experiência de qualquer paciente que tenha passado por algo do tipo. A segurança do paciente é a prioridade da Pfizer e sempre será. Trabalhamos com os órgãos de controle mais rigorosos do mundo e monitoramos todo efeito colateral de todos os nossos medicamentos. Sem mais o que relatar sobre esta história.”

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).