A atleta carioca do Crossfit, Mayara Faria, de 28 anos, vem sofrendo uma série de situações de preconceito no esporte que pratica simplesmente por ser uma lésbica de visual masculinizado.

Além de ter perdido patrocínios, ela fala até em abusos sofridos em uma carta aberta onde se abre sobre sua situação aos seus mais de 100 mil seguidores. Seu visual não tão feminino chegou a ser alvo de “sugestões” por parte de organizadores e patrocinadores, em uma clara situação de assédio moral.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“O cúmulo de todos foi um pedido que recebi para usar um ‘aplique de cabelo’ pois o meu cabelo curto e corpo forte me tornavam uma figura masculinizada e pouco atrativa para o público, e que eu poderia assustar as pessoas”, afirma um trecho de seu desabafo.

Como se não bastasse tudo que ela enfrenta no esporte, fora dele, nas redes sociais onde a atleta compartilha seus treinos, ela também é alvo de ofensas e assédio, fora acusações de que usaria anabolizante, o que ela afirma ser mentira.

View this post on Instagram

▪️Seja Você ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ▫️Por você ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ▪️Para você ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ A vida é pura energia, ela forma tudo ao nosso redor e a nós mesmos. ✨ Tudo o que nos cerca é atraído pelo o que transmitimos, somos imãs de energia. 🌀 Por isso faça o que você ama com prazer e felicidade. 🌞⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ———————————————————————— #snatch #motivation #inspiration #lifestyle #brasil #saude #strength #workout #lgbt #fit #swag

A post shared by 🎯 May Faria 🔺 Crossfit Athlete (@immayfaria) on

Leia seu desabafo na íntegra:

Carta aberta de uma Atleta Lésbica – Por Mayara Faria

 Me chamo Mayara Faria, tenho 28 anos, sou atleta de Crossfit, moro no Rio de Janeiro e sou lésbica. Entrei em contato com a Afirmativa para pedir espaço para falar sobre os abusos que sofro por ser uma atleta Lésbica.

Por ser lésbica, já sofri ameaças e ofensas nas redes sociais, já perdi patrocínios, e o cúmulo de todos foi um pedido que recebi para usar um “aplique de cabelo” pois o meu cabelo curto e corpo forte me tornavam uma figura masculinizada e pouco atrativa para o público, e que eu poderia assustar as pessoas. Até porque eu já estava chocando as mesmas por ser Lésbica.

Infelizmente sou mais uma vitima, assim como milhares de pessoas LGBTQIA+. E sempre optei por não me esconder e mostrar as mesmas pessoas que não tenho medo e estou aqui para lutar contra essa ignorância e preconceito que nos rodeia.

A discriminação contra as pessoas por causa da sua orientação sexual ou gênero impede que a população LGBTQIA+ usufrua de seus direitos básicos como cidadãos e seres humanos, já que são coibidos de expressar livremente seus sentimentos e desejos, individualmente ou com seus parceiros já que a sociedade brasileira ainda é conservadora, machista e patriarcal.

Gostaria de deixar aqui um apelo para todas as vítimas: NÃO TENHAM MEDO DE CORRER ATRÁS DOS SEUS DIREITOS. 

Se sofrerem qualquer tipo de crime cibernético ou físico denunciem procurem a uma delegacia essas pessoas não podem ficar impunes.

E estou a disposição para participar de algum tipo de engajamento social ou representar grupos que apoiem a nossa luta, e tenham interesse de estar ao lado de uma atleta lésbica. Quero levar comigo essa causa e deixar claro que não nos calarão. Não estamos sozinhas nessa luta, e temos voz sim para combater toda essa ignorância e preconceito que nos rodeia.

Meu intuito em expor a minha história é me solidarizar com tantas outras e dizer que não, vocês não vão me mudar. E empresas e grupos sociais que estiverem a fim de vincular seus trabalhos a alguém que seja símbolo de resiliência e atitude, eu quero te dizer que eu estou aqui. Entregarei o meu melhor, nada menos que isso. 

 Mayara Faria – Jovem, negra, lésbica e Atleta de Crossfit

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).