Um novo estudo da Universidade da Califórnia em São Francisco descobriu que um terço das pessoas LGB experimentam enxaqueca e fortes dores de cabeça, as informações são do HIV Plus Mag.

Olhando para quase 10.000 pessoas na faixa dos 30 e 40 anos, os pesquisadores descobriram que os participantes LGB experimentaram dores de cabeça 58% mais do que os participantes heterossexuais.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

As enxaquecas são descritas como dores de cabeça extremas que podem causar sensibilidade ao som e à luz e causar visão turva, náuseas e vômitos e dificultar a saúde mental do indivíduo. A condição, que afeta mais de um em cada seis americanos, é uma das principais causas de visitas ao pronto-socorro.

Um estudo cujos resultados foram divulgados em 2017 mostrou que pessoas soropositivas também sofrem de dores de cabeça desproporcionalmente, com 45% dos indivíduos relatando dores de cabeça extremas.

VEJA TAMBÉM:  Coronavírus: Linhas de apoio mental LGBT+ registram aumento de ligações

Outros estudos demonstraram que os negros americanos sofrem desproporcionalmente com a doença, assim como pessoas de baixa renda. As enxaquecas têm muito mais probabilidade de atingir as mulheres do que os homens; 85% dos que sofrem de enxaqueca são mulheres.

Enxaquecas sem explicação

Os pesquisadores da UCSF não chegaram a conclusões sobre o motivo pelo qual as pessoas LGB sofrem mais enxaquecas do que heterossexuais, mas acredita-se que a prevalência do preconceito desempenhe um papel. O estudo da UCSF ocorreu entre 2016 e 2018, coincidindo com a eleição presidencial e a primeira metade da presidência de Trump, onde os direitos LGBTQ + eram frequentemente almejados pela administração.

“Pode haver uma taxa maior de enxaquecas em pessoas LGB por causa da discriminação, estigma ou preconceito, o que pode levar ao estresse e desencadear as dores”, disse o autor principal do estudo, Dr. Jason Nagata, professor assistente de pediatria da UCSF, ao Fundação Thomson Reuters.

VEJA TAMBÉM:  Estudo aponta que um em cada quatro LGBTs já tentou cometer suicídio na Colômbia

Nagata pediu aos médicos com pacientes gays, lésbicas ou bissexuais que estivessem cientes das descobertas recentes e examinassem seus pacientes de acordo com as informações do estudo.