Um enfermeiro gay teve um dos dias mais felizes de sua vida quando sentou para dar ao namorado a vacina contra o coronavírus, ele mal sabia que o namorado tinha no bolso um anel de noivado.

Eric Vanderlee, um enfermeiro registrado em Canton, Dakota do Sul, se ofereceu para ajudar a administrar a vacina contra o coronavírus aos profissionais de saúde da linha de frente no Sanford Canton-Inwood Medical Center, onde ele e seu noivo trabalham.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O resultado foi que ele acabou aplicando a vacina a seu namorado de cinco anos, Robbie Vargas-Cortes, no dia 23 de dezembro – mas seu namorado tinha um truque na manga.

Quando Vargas-Cortes arregaçou a manga, Vanderlee viu que ele tinha uma fita adesiva no braço. Ele inicialmente pensou que era uma piada – um guia para ajudá-lo a administrar a vacina no lugar certo – mas era algo completamente diferente.

VEJA TAMBÉM:  Kevin McHale, de Glee, conta que envenenou namorado "acidentalmente"

O enfermeiro Vargas-Cortes retirou a fita para revelar um anel de noivado, fazendo com que todo o centro de saúde se suspirasse de alegria.

“Eu meio que me dei conta e pensei, ‘Com certeza, é claro, sim’”, disse Vanderlee à CNN sobre o momento incrível.

Depois de dizer sim, Vanderlee teve que administrar a vacina a seu noivo e, em apenas 10 minutos, Vargas-Cortes – um paramédico – estava saindo para atender a uma chamada de ambulância.

Vargas-Cortes revelou em uma entrevista à CNN que ele guardou o anel por três anos antes de finalmente fazer a pergunta em 23 de dezembro. Ele estava esperando o momento certo para propor.

Enfermeiro perdeu parentes para a Covid-19

O noivado acontece no final de um período turbulento e doloroso para o casal. Em novembro, o avô de Vanderlee infelizmente faleceu aos 86 anos após contrair COVID-19.

VEJA TAMBÉM:  Laerte Coutinho revela estar com Covid-19: “Estou sob bons cuidados”

Foi depois de ver seu avô lutando contra o vírus que ele decidiu se voluntariar para ajudar a distribuir vacinas em um esforço para acabar com a pandemia do coronavírus – e, finalmente, salvar vidas.

“Quero fazer parte deste fim. Eu sinto que não posso deixar isso passar. É como uma oportunidade única na vida de ser aquele que dá a vacina, se eu tiver a chance ”, disse ele.